quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Troglodice: Argentina: ministro desabilita 380 profissionais da saúde formados em Cuba

Via Aporrea


Contrainjerencia

 Tradução do espanhol: Renzo Bassanetti



Graduados argentinos en la Escuela Latinoamericana  de Medicina (ELAM) de La Habana.
GRADUADOS ARGENTINOS NA ESCoLA LATINO-AMERICANA DE MEDICINA (ELAM) DE  HAvANA.


Crédito: Cubadebate


4 de janeiro de 2016  - O ministro Jorge Lemus anunciou modificações na pasta de atendimento médico, deixando de fora os profissionais formados na República de Cuba.



A medida atinge o “Artigo 4 do Protocolo Adicional ao Convênio de Cooperação Educativa”, subscrito no ano de 2007  quando as duas nações assinaram o reconhecimento recíproco  e a habilitação para o exercício profissional  para os títulos de grau universitário obtidos nos dois países. Ela leva à impossibilidade de trabalhar para mais de 380 profissionais, entre médicos e técnicos em saúde formados através de programas de bolsas na ilha caribenha.   

“Não mais médicos de Cuba”, afirmou o titular da pasta da Saúde ao expressar que em nosso país existem profissionais suficientes para atender um sistema de saúde competente e devidamente capacitado por nossas universidades legitimamente certificadas.

Esses médicos prestavam seus serviços nas áreas mais pobres da Argentina,  de forma que o ano iniciará com menor disponibilidade de médicos para a população que mais necessita deles. 





Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.