sábado, 3 de outubro de 2015

Iantis de falar dos russos, veja a destruição de um hospital pelo império terrorista

Sanguessugado do Tijolaço

strike

Do jornal inglês The Guardian:
“Os Estados Unidos foram condenados por supostamente lançar um ataque aéreo em um hospital dos Médicos Sem Fronteiras no Afeganistão,que se acredita ter matado mais de 20 trabalhadores humanitários.(Nota do Tijolaço: os Estados Unidos já admitiram que foram eles mesmos, no comando de uma “missão” da Otan)
O  hospital foi atingido durante um bombardeio aéreo em Kunduz, destruindo uma grande parte da instalação. Uma fonte da MSF disse ao Guardian, pelo menos, 20 membros da equipe foram mortos e dezenas de outras pessoas ficaram feridas. Eles disseram que o número de mortos pode subir ainda mais.
A organização humanitária disse que  as coordenadas GPS do hospital haviam sido amplamente divulgadas a todas as forças que lutam no conflito. Ele também alegou que o bombardeio continuou por até 30 minutos depois de ter  as autoridades americanas e afegãs terem sido avisadas.
No momento do bombardeio, 105 pacientes e seus cuidadores, e mais de 80 MSF funcionários internacionais e nacionais estavam no hospital. Pelo menos 37 funcionários ficaram feridos no incidente, disse. Nenhum dos médicos estrangeiros de voluntariado na instalação foram feridos.
De acordo com um médico de MSF, entre os mortos estão oito enfermeiros, três médicos, seis guardas de segurança, dois funcionários  de limpeza e um farmacêutico.”

O ataque, é pior, foi deliberado, não  um engano: Sediq Sediqi, porta-voz do Ministério do Interior afegão, subordinado aos EUA, disse que o bombardeio foi solicitado  porque “havia 15 terroristas escondidos no hospital”.

Veja as imagens da destruição do hospital, que vão colocar os EUA numa das piores situações diplomáticas dos últimos tempos, porque vai abalar sua aliança militar com a Europa, onde a reação será imensa, escrevam.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.