segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Cunhão chama FHC na chincha

Sanguessugado do Tijolaço

Cunha manda aviso a FHC

Fernando Brito

Para bom entendedor, meia palavra basta. Eduardo Cunha se valeu da coluna de Monica Bergamo para mandar seu “recado” a Fernando Henrique:

O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), não digeriu por completo as declarações de Fernando Henrique Cardoso sobre suposto pedido de parlamentares para que ele ocupasse uma diretoria da Petrobras no governo do tucano. O ex-presidente afirmou em um livro que negou o pedido porque o parlamentar “tinha trapalhadas”.

ESCADA

“Fernando Henrique não precisa de escada em mim para poder promover o livro dele”, diz Cunha. “Mas eu, por questão de educação, não vou remeter a fatos pretéritos da época em que eu estava na Telerj.” O peemedebista presidiu a telefônica do Rio nos governos de Fernando Collor e no início do de Itamar Franco, em que FHC foi chanceler e ministro da Fazenda.

MEMÓRIA PRECISA

Cunha segue: “Eu não preciso fazer o que ele fez. No dia em que eu escrever o meu livro, aí eu coloco [fatos da época em que comandou a Telerj, no governo de Fernando Collor e em parte do governo de Itamar Franco]”. O parlamentar diz ainda que não pleiteou cargo algum na Petrobras porque não queria voltar à vida pública.

Parece que Janio de Freitas tinha mesmo razão quando, ontem, disse que “gravações clandestinas não começam no exato momento comprometedor da conversa. Quem as instalou pode fazer coleções de conversas, personagens e assuntos. E quem sabe que gravações podem trazer-lhe complicações, diretas ou indiretas, não ousa contra o possível colecionador. A não ser quando o veja batido, esvaído, inerte. Como muitos têm esperado ver Eduardo Cunha, para lembrar-se de que são grandes defensores da moralidade. Privada e pública”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.