terça-feira, 29 de setembro de 2015

O vosso partido: Vida e Morte

Sanguessugado do Informação Incorrecta

 

O vosso partido fala da...
Gerber
A Gerber nasceu em 1927 nos EUA, tornou-se um dos gigantes mundiais da nutrição para bebes. Mas o mercado americano não era suficiente: tinham que ir além. Então eis a lobby em Washington DC a partir dos anos '50 e os governos dos EUA que apoiam a empresa na sua batalha na Organização Mundial do Comércio em Genebra (OMC) para impor o leite artificial nos Países pobres, em detrimento do aleitamento materno (médicos corruptos que mentem às mulheres grávidas, etc.).
Resultado: em 49 Países pobres a Gerber impõe os seus produtos, mas cerca de um milhão e meio de crianças morrem ou crescem sub-nutridas durante 30 anos porque esses produtos são muito caros e porque as mães pobres e sem instrução ficam convencidas de que o leite delas é inferior.
Em 1994 a Gerber é fundida com a farmacêutica Sandoz, dois anos mais tarde com a Novartis e em 2007 é adquirida pela Nestlé, que continua com a mesma política até recentemente. Ver caso do leite radioactivo na Índia.
O vosso partido fala da Gerber? Da Nestlé? Faz os nomes? Lembra aquele milhão e meio de homicídios? Não? Então fala de quê? De "proteger a infância"? E como?
O vosso partido fala da Gerber? Da Nestlé? Faz os nomes? Lembra aquele milhão e meio de homicídios? Não? Então fala de quê? De "proteger a infância"? E como?
Dalbert Internacional e Retailco
A primeira é americana, a segunda italiana. Facturam entre 1,5 e 5 milhões de Dólares por ano, vendem o mineral coltan, o mesmo que está no nosso telemóvel, smartphone, tablet. O coltan é extraído no Congo e a guerra para a sua conquista e extracção tem provocado 2 milhões e 460 mil mortes entre a população local (estimativa conservadora da ACNUR).
O vosso partido fala da Dalbert Internacional e da Retailco? De quanto custa em termos de vidas humanas o vosso telemóvel? Não? Lembra dos mais de 2 milhões de mortos que ficam atrás do vosso tablet? Não? Então fala de quê?
Kissinger, Obama e Putin
O ex-secretário de Estado Henry Kissinger, os actuais presidentes americanos Barack Obama e o russo Vladimir Putin (sim, o mesmo tantas vezes defendido aqui também: mas de vez em quando não faz mal tratar dos aspectos menos simpáticos, não acham?) são directamente responsáveis ​​por um total (ainda não calculado) de milhões de mortos na Indonésia, Iraque, América Latina, Rússia e Tchetchenia.
O vosso partido fala do número incalculável de mortos provocados por estes senhores? Faz os nomes deles, dos lugares, das datas, das razões? Não? Então fala de quê? De "ajudar os mais desfavorecidos"? E aqueles milhões de desgraçados que morreram não eram suficientemente desfavorecidos?
BigPhrma
BigPhrma (que todos no mundo escrevem errando BigPharma...ehm, eu também...mas também Wikipedia!) é o conglomerado mundial das multinacionais dos medicamentos. Cada vez que um de nós não estiver bem, coloca a vida nas mãos da BigPhrma, sabiam? Ok. Apenas um dos produtos BigPhrma, o Vioxx (da Merck) provocou entre 60.000 e 100.000 mortes (segundo as estimativas) porque intencionalmente comercializado apesar dos estudos prévios terem demonstrado o perigo, que incluía a possibilidade não tão remota de enfartes.
Aquele do Vioxx é apenas um dos 200 escândalos que envolvem a BigPhrmatimativas).
O vosso partido fala do Vioxx, daqueles 60-100 mil mortos, da BigPhrma? Não? Então fala de quê? Da "saúde como um direito inalienável de todos os cidadãos"? Mas explica quem fica atrás e quem ganha com aquele "direito inalienável"? Faz os nomes?
Crise
O vosso partido explica que criar lugares de trabalho numa Economia dominada pela Finança não resolve as crises? Aliás, é apenas uma maneira para alimentar ainda mais as manobras especulativas financeiras e perpetuar assim o estado de crise? Não fala disso? Nem disso?
Mas desculpem: o vosso partido não fala dos mortos, não fala dos vivos... afinal fala de quê?
Assim, só para saber...
Ipse dixit.
Fonte: Paolo Barnard

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.