quarta-feira, 23 de setembro de 2015

A Islândia boicota Israel

Sanguessugado do Informação Incorrecta

Max

Dobro-me perante a Islândia.
Pessoal, temos muito que aprender com aquele povo. A começar da forma como geriram a crise dos bancos privados (simples e eficaz: multas às instituições, responsáveis na prisão).
Agora vão além disso: qualquer produto Made in Israel não entra na ilha.
Anti-semitismo? Nada disso. A Islândia não odeia os hebreus, inútil começar com acusações histéricas.
País estranho este. Uma espécie de panorama dantesco, feito de vulcões e gelo, habitado por pessoas que são "o povo mais pacífico da Europa". Onde na lista telefónica os nomes precedem os apelidos, porque o nome é mais importante, também do ponto de vista legal. Pode não parecer, mas esta é uma escolha particularmente profunda, que bem explica qual a visão da sociedade daquele povo. Um padrão de vida alto, não há desemprego sob o manto protetor do Estado social escandinavo.
Esta ilha remota, fustigada por tempestades do Atlântico e fisicamente longe de tudo e de todos, onde a vida corre bem, muito bem, decidiu proibir os produtos feitos em israel. Na capital da Islândia, Reykjavik, o vereador Björk Vilhelmsdóttir sugeriu boicotar todos os produtos israelitas. Todos, sem excepção. É a primeira vez que isso acontece num País ocidental.

Björk Vilhelmsdóttir

A razão? Mais do que óbvia.
A resolução anti-israelita foi proposta pelos sociais-democratas como forma de protesto contra o holocausto do povo palestiniano.
O Ministro das Relações Exteriores, Össur Skarphéinsson, afirma que também está a ser avaliado o fim das relações diplomáticas com Jerusalém: e se a decisão no final for negativa, isso será só porque a Islândia mantém relações com Países como o Sudão e a Coreia do Norte. Israel na lista negra, portanto, aquela dos Estados "maus".
O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores de israel, Nachson Emanuel, tira fora do armário a já podre bandeira do ódio racial:

Não há nenhuma razão ou justificação para esta medida a não ser o ódio em si mesmo, que se faz sentir na forma do boicote contra israel, o Estado judeu. Esperemos que alguém na Islândia acorde e parar essa cega parcialidade contra a única democracia no Oriente Médio.

A "única democracia no Oriente Médio". Não se pode dizer que em Tel Avive falte um negro sentido de humor. Entretanto, Standwithus, uma ONG pro-israel, já lançou um boicote aos produtos islandeses enquanto o congresso europeu hebraico pensa num processo judicial.
Mais uma vez, a Islândia dá um exemplo ao mundo.
Ipse dixit.
Fonte: Il Foglio

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.