domingo, 19 de julho de 2015

Saindo da matrix: Votar não serve para nada...

Sanguessugado do Octopus

O direito de voto, símbolo das democracias, garante da expressão da soberania universal, essencial para a pretensa ideologia democrata, não serve para nada.

 

O debate ideológico está actualmente limitado a promessas eleitorais que, uma vez um determinado partido eleito pode (e frequentemente) quebrar as sua promessas sem que seja possível  (ou muito dificilmente) alterar o seu rumo.

As verdadeiras decisões são tomadas fora dos parlamentos nacionais, em Bruxelas ou em Nova Iorque, cozinhadas em reuniões secretas ou semi-secretas como as dos Bilderberg.

As decisões fundamentais são ditadas por grupos financeiros e lobbies, como as agências de rating ou grupos de influência ligados ao petróleo, industria farmacêutica ou agro-alimentar.

Vivemos numa ilusão democrática, ensinada nas escolas, manipulada pelos media, amplificada pelos partidos políticos do centro que alternadamente nos fazem crer na alternância do poder (quando no fundo são a mesma coisa) e subjugados a organismos não eleitos (como a União Europeia).

Bem vimos no recente caso da crise grega a inutilidade do vote e da suposta vontade popular:

- Os gregos elegeram um partido que iria romper com o "establishment".

- Passado uns meses, esses eleitos, afinal muitos deles, já estavam coniventes com o sistema capitalista que diziam combater.

- Realizarem um referendo "fictício" em que a escolha era 100% de medidas drásticas ou "apenas" 95% dessas medidas.

- Julgando votar com um voto rebelde, contra mais austeridade, votaram em "apenas" 95% de medidas impostas de austeridade, julgando que estavam a votar "contra".

- Os mercados financeiros fizeram o resto, criando o medo, com limitações nos levantamentos de dinheiro e o sufoco da economia grega.

- Uma semana depois desse voto, o partido "rebelde", que elegeram, aprova 120% de medidas de austeridade.

Junker declarou recentemente: "Não é possível existirem escolhas democráticas opostas aos tratados europeus"...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.