segunda-feira, 29 de junho de 2015

Grécia, não pisque!

Sanguessugado do redecastorphoto

 

 Alex Andreou, By Line

Do Not Blink, Greece

Traduzido pelo pessoal da Vila Vudu

O Jogo da Franga [1], que vem sendo jogado pelos últimos cinco anos na Grécia, está chegando ao clímax. Alexis Tsipras jogou extremamente bem com cartas péssimas, apesar do que dizem e escrevem os teóricos do apocalipse-já.

Alexis Tsipras em 25/1/2015

O Primeiro-Ministro grego, Alexis Tsipras, pareceu surpreender o mundo ontem, quando anunciou que oferecerá um referendum ao povo grego sobre o acordo sobre a dívida do país que a UE/FMI apresentaram. Que o povo grego decidirá o que quer. Deixou claro que a proposta das instituições não o agrada, que é proposta “inaceitável” e “humilhante” que deve ser rejeitada.

Partidos da oposição grega rapidamente condenaram o movimento do governo. São as mesmas pessoas que há semanas criticam Tsipras por aceitar excessivas demandas das instituições credoras e por estar andando na direção de um acordo que, para aqueles partidos, é terrível.

Mas comentaristas internacionais observaram que as discussões no Eurogrupo, de fato, estão continuando hoje, e que a “equipe grega” repentinamente viu-se com meios para tirar um grande ás da manga, que ninguém imaginou que ainda existisse.

Onde está a verdade?

Como sempre, está no meio, entre essas duas posições. No início do ano, escrevi que a União Europeia e especialmente o FMI estavam em processo de superdistensão. Para que a doutrina do choque funcione, é preciso que haja uma maioria com algo a perder. Pode-se alcançar um ponto de inflexão e, me parece, pode estar na Grécia, onde a grande maioria das pessoas zomba de ameaças como “controles de capitais” e poupanças confiscadas. É simples de entender, porque já ninguém na Grécia tem nem capitais nem poupanças. Quando isso acontece, a reação de uma nação contra a humilhação pode ser imprevisível.

É verdade que o referendo deixa o povo grego ante a escolha entre dois tipos de miséria extrema. Será miséria imposta de fora para dentro, ou miséria de tipo em que o miserável guarda ainda, pelo menos, a autodeterminação?

Mas é imensamente injusto sugerir que essa seria posição à qual só o Syriza nos arrastou. Essa é a posição à qual nos arrastaram 40 anos de corrupção e governos incompetentes e cinco anos de hegemonia economicamente analfabeta do FMI.

Ante a visão de um abismo todos os dias mais e mais profundo de arrocho [não é “austeridade”; é ARROCHO], de morte pelos mil cortes, Tsipras optou por agir como catalisador, e empurrar as coisas para uma decisão rápida.

Não há para mim dúvida alguma de que, daqui a 20 anos, a Grécia ainda existirá e, muito provavelmente, estará tranquila e próspera. Não digo isso por causa de glórias passadas, nem dos argumentos tipo “berço da democracia”. Abomino nacionalismos romantizados. Tudo aquilo é passado dos gregos. Prefiro olhar para nosso presente. E vejo a solidariedade dos movimentos de base, que surgiram e cresceram para garantir atendimento à saúde de gente que já não pode pagar por serviços médicos; ou abrigo para os milhares de refugiados sírios que chegam todos os dias à Grécia por nossas fronteiras. Vejo as fábricas e restaurantes criados como cooperativas, que nasceram para oferecer empregos a quem muito precisava deles. Vejo como as famílias cerraram fileiras e como o tecido da sociedade grega mantém-se relativamente firme e coeso, depois de cinco anos de massacre. Essas realizações são a razão de eu ter esperanças sobre o futuro – não a história antiga.

A verdadeira questão é: a União Europeia sobreviverá? Depende de como lidem com a situação nos próximos poucos dias. Os gregos não estão sós entre povos cada dia mais desconfortáveis com a microgestão de corpos supranacionais não eleitos. É hora de a União Europeia redefinir-se ou como organização que ativamente busque um equilíbrio entre integração e soberania ou como quem quer chegar à federalização custe o que custar, mesmo sob risco de se autodestruir.

Tem havido muita conversa sobre o governo grego ter abdicado da própria responsabilidade. Minha visão é outra. A missão que foi entregue a Tsipras em janeiro sempre foi extremamente difícil, desde o início: o povo grego queria:

(a) o fim do arrocho [não é austeridade; é ARROCHO]; e

(b) continuar conectado à órbita do euro.

Sempre houve um risco, dependendo de o quanto fosse rígida a posição de nossos credores, que esses dois objetivos fossem completamente incompatíveis. Tsipras é líder absolutamente coerente e honesto, quando diz:

O que se vê é que, por mais que nos esforcemos, não conseguimos fazer as duas coisas (a) e (b) acima. Por isso, voltamos às bases para novas consultas.

É extraordinário o quanto nos tornamos todos adversários da democracia. A ponto de já ninguém ver quando um líder honesto e densamente democrático resiste contra vender o país em troca de continuar no poder. Parem. Respirem. Deixem que seus olhos se ajustem à luz inesperada. Tsipras é o que todos os líderes democráticos deveriam realmente ser. Mas nos habituamos de tal modo a ver as coisas pelo prisma vicioso da esperteza, da manobra política contra a democracia e a favor dos interesses de um ou outro governante, que a própria democracia já foi contaminada e aparece deformada.

Não sei que resposta o povo dará ao referendum, se se concretizar. Mas não entendo a histeria de que a oposição foi tomada, ante a simples possibilidade de haver um referendo. Mas, se você está histérico ante a ideia do referendo, ora bolas, vote “Sim” e convença outros a votar “Sim”. Esse é o poder que Tsipras devolveu também à oposição.

O que eu sei é que a questão de se exigimos para nós nossa autodeterminação como nação, ou se estamos felicíssimos como estamos é questão que diz respeito a nós.

Estamos satisfeitos com o que temos hoje, governados, de fato, por gente que jamais foi eleita, que nada conhece nem nada tem a ver com a Grécia, mas se sente com direito de determinar o valor do Imposto sobre Valor Agregado do nosso leite e do nosso pão?

É hora de responder SIM ou NÃO.

____________________________________________

Nota dos tradutores

Orig. chicken game, lit. “jogo da galinha”, tradução literal da expressão em inglês, que não faz sentido em português. Em port. do Brasil, a melhor tradução nos parece ser “Jogo da Franga”, que aqui adotamos.

[*] Alex Andreou abandonou uma promissora carreira - para desgosto de sua mãe - na lei e na investigação de mercado, para trabalhar como ator na London’s Poor School com a tenra idade de 38 anos. Desde então atuou, principalmente, com pessoas muito desagradáveis no palco, incluindo National Theatre, Southbank, Royal Manchester Exchange, Theatre Royal Strateford East e festivais britânicos e internacionais. Já apareceu em vários filmes e teve sua estréia na Direção com Mamet's Boston Marriage at the Pacific Playhouse. Tem ensinado Shakespeare e Direção na London’s Poor School.

Com o seu “chapéu de escritor”, contribui com The Guardian, New Statesman, e muitas outras publicações britânicas e gregas. Também escreve para a BBC Radio 4. Seu primeiro livro será publicado ainda em 2015. Alex tem estudado os “sem-teto” tornando-se militante com conhecimento profundo da pobreza, comentarista político e defensor dos direitos dos migrantes. É palestrante em várias instituições britânicas e gregas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.