domingo, 24 de maio de 2015

GARCIA: PT PERDEU ELITE E PODE PERDER A BASE SOCIAL

Sanguessugado do Brasil 247

"As classes dominantes estão em clara ruptura conosco e, se não tomarmos cuidado, parte da nossa base social histórica também estará", afirmou.

images

"As classes dominantes estão em clara ruptura conosco e, se não tomarmos cuidado, parte da nossa base social histórica também estará", disse, neste sábado, o professor Marco Aurélio Garcia, um dos principais intelectuais do Partido dos Trabalhadores, durante o congresso estadual do partido, em São Paulo; Garcia defendeu o retorno urgente do PT a seus "compromissos históricos" depois de superada a fase de ajuste fiscal; "Temos que propor, no imediato, que essas correções que estão sendo feitas do ponto de vista fiscal possam efetivamente permitir que daqui uns poucos meses meses nós estejamos com este problema resolvido e que possamos então aplicar políticas que são aquelas que vão garantir ao segundo governo Dilma, uma qualidade, uma força, uma transformação importante", afirmou

247 - O professor Marco Aurélio Garcia, que é assessor especial da presidência da República e um dos principais intelectuais do PT, fez um duro alerta, neste sábado, durante o congresso estadual do partido, em São Paulo.

"As classes dominantes estão em clara ruptura conosco e, se não tomarmos cuidado, parte da nossa base social histórica também estará", afirmou.

Garcia defendeu o retorno urgente do PT a seus "compromissos históricos" depois de superada a fase de ajuste fiscal. "Temos que propor, no imediato, que essas correções que estão sendo feitas do ponto de vista fiscal possam efetivamente permitir que daqui uns poucos meses meses nós estejamos com este problema resolvido e que possamos então aplicar políticas que são aquelas que vão garantir ao segundo governo Dilma, uma qualidade, uma força, uma transformação importante", complementou.

Ele afirmou, ainda, que a conjuntura atual não permite a repetição da bonança dos anos Lula. "Tenho absoluta convicção de que encerramos um ciclo importante da nossa história", afirmou. "Nós vivíamos um momento de ganha-ganha. Todos podiam ganhar, os trabalhadores, os pobres, as classes médias, até os industriais e banqueiros. Havia um reordenamento da economia brasileira que permitia que todos ganhassem. Acabou. Não há mais essa possibilidade", disse.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.