segunda-feira, 4 de maio de 2015

A METAMORFOSE - FRANZ KAFKA (Versão Paraná 2015)

Via feicibuqui do Maringoni Gilberto

kafka-voando

Numa manhã fria, em Curitiba, ao despertar de sonhos inquietantes, Gregor Samsa deu por si na cama transformado num pequeno político. Estava deitado sobre o rosto, tão dura que parecia de peroba. Ao levantar um pouco a cabeça, divisou o arredondado ventre que buscava encolher, trajando uma camisa Armani e uma gravata Hermès. Passou as mãos pelos cabelos. Era puro gel. A boca agitava-se, como dotada de vontade própria a falar termos desconexos. “Não somos hipócritas”, “Quem estuda costuma ser mais insubordinado” e coisas assim.

Que me aconteceu? - pensou. Não era um sonho. O quarto, um vulgar quarto humano, apenas bastante acanhado, ali estava, como de costume, entre as quatro paredes que lhe eram familiares.

Por cima da mesa, onde estava deitado, desembrulhada e em completa desordem, uma série de amostras de roupas: Samsa era caixeiro-viajante, estava pendurada a fotografia que recentemente recortara de uma revista ilustrada e colocara numa bonita moldura dourada.

À medida que tudo isto lhe passava pela mente a toda a velocidade, sem ser capaz de resolver a deixar a cama - o despertador acabava de indicar quinze para as sete -, ouviram-se pancadas cautelosas na porta que ficava por detrás da cabeceira da cama. - Gregor - disse uma voz, que era a da mãe -, é um quarto para as sete.

Não tem de apanhar o trem? Aquela voz suave! Gregor teve um choque ao ouvir a sua própria voz responder-lhe, inequivocamente a sua voz, é certo, mas com um horrível e persistente guincho. “Baderneiros””, “Black blocs”! “Chama o Francischini, que ele não sabia quem era.

Quando a mãe entrou no quarto, soltou um grito estridente:

- Meu filho sumiu! Aqui em cima da cama está o Beto Richa!!!

Triste sina a de Gregos Samsa. Teria de viver num corpo que não era o seu. Um corpo que causava as piores impressões a todos.

Desesperado, só uma palavra lhe saia da boca:

- Francischiniiiiiiii! Francischiniiiiiiiiiii!!!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.