sexta-feira, 15 de maio de 2015

67 anos depois...

Sanguessugado do Bourdoukan

 

Manifesto da Organização mundial de judeus ortodoxos Naturei Karta

“Israel é um Estado Herético e vai contra a vontade divina”

“Quando os sionistas festejam o aniversário da fundação do Estado de Israel, a comunidade mundial dos judeus fiéis à Torá marca o aniversário como um dia de dor e tragédia.

Manifestamos nossa tristeza fazendo penitência com o saco e a cinza e içando as bandeiras negras de luto.

A fundação do Estado sionista está em contradição flagrante com o ensinamento da Torá, que proíbe toda proclamação de um Estado judeu. A Torá obriga-nos a permanecer em exílio até à libertação divina que anunciará a paz eterna entre todas as nações do mundo. [...]

A iniciativa sionista de proclamar o Estado de Israel constitui uma revolta contra a vontade divina, contra a Torá, uma revolta que engendrou uma vaga interminável de violência e sofrimento. No momento da fundação do Estado herético, os judeus fiéis à Torá deploram essa tentativa de extirpar os ensinamentos da Torá, transformar os judeus em uma “nação laica” e reduzir o judaísmo ao nacionalismo. Deploramos as tragédias que a revolução sionista provocou entre os judeus, notadamente o esquecimento do preceito fundamental da Torá de agir com compaixão.

Deploramos as tragédias que a revolução sionista provocou entre os palestinos, principalmente deportações, a opressão e a subjugação.

Deploramos o desperdício de milhares de vidas humanas nos conflitos fúteis e cruéis que provocaram a proclamação e a manutenção do Estado sionista.

Nesse dia trágico, jejuamos e reunimo-nos em sinagogas por todo o mundo e oramos por um desmantelamento pronto e pacífico do Estado de Israel. Merecemos que, neste ano, todas as nações, aceitando a soberania divina, possam regozijar-se numa Palestina livre e numa Jerusalém livre!

Amém!”

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.