sexta-feira, 10 de abril de 2015

Qual é o preço de um presidente?

Sanguessugado do Bourdoukan

Georges Bourdoukan

Milhões, responderão alguns. Muitos milhões, responderão outros. E a resposta não poderia ser outra, dado o valor das campanhas eleitorais. Mas não é esse o caso. Não se trata do valor de uma campanha, mas do valor real de um presidente. Do significado de sua importância para o país.

Que tragédia.
Quem poderia imaginar que presidentes outrora tão poderosos, pudessem valer tão pouco? Mas a História não perdoa. Ela pode ser implacável, até com os vencedores.
Patético.
Perfilados, lado a lado em prateleiras de livrarias do centro velho e em algumas do centro novo de São Paulo, lá estão Floriano Peixoto, Dutra, Castelo Branco, Geisel e todos aqueles que governaram o Brasil desde a República. São livros muito bem acabados, papel de primeira e capa dura, oferecidos pelo preço de... 30 centavos, cada. Isso mesmo, 30 centavos.
Humilhante.
Mas isto não é tudo. O cartaz que anuncia a liquidação vai mais além. Informa que se o interessado adquirir um Floriano, um Geisel e um Castelo, paga 90 centavos pelos três. Mas se levar um quarto, um Médici, por exemplo, paga apenas um real pelos quatro. Acreditem, quatro presidentes por apenas um real.
Não é maldade isso?
E por que um Médici por apenas 10 centavos?
Não foi ele o presidente do Tri, do Brasil ame-o ou deixe-o, e da Transamazônica? Mereceria sofrer um vexame desses?
Para mim, isso deve ser vingança de algum basco. Não há outra explicação. Só um basco não esqueceria a omissão de Garrastazu quando a ditadura franquista resolveu executar três militantes da ETA (Pátria Basca e Liberdade). O mundo protestou. Menos ele, o descendente de bascos Garrastazu Médici. Houve chefes de Estado que ameaçaram romper relações se o ditador espanhol levasse avante a execução. Inútil, já que o generalíssimo, não só mandou executá-los, como determinou que o fossem com requintes de crueldade. Ordenou, e o carrasco utilizou o medieval garrote vil.
Mas a exemplo de nossos ex-ditadores Franco acreditou que também era esperto. Antevendo que a História o atiraria ao limbo, antecipou-se e mandou cunhar moedas com sua efígie, onde se lia Francisco Franco caudillo de España por la gracia de Dios..
Em vão.
Durante as manifestações contra a ditadura, estudantes madrilenos juntavam várias dessas moedas em sacos plásticos para atirá-las contra a polícia. Vale esclarecer, e disso dou testemunho, que as moedas não partiam sozinhas. Os sacos onde elas eram depositadas estavam repletos com os resíduos que o intestino expele depois de uma refeição. Quando arremessados contra os repressores, deixavam um rastro de mau cheiro no ar. E se atingiam o alvo então... Nem la gracia de Dios resolvia.
E agora fica a dúvida que o caro leitor pode ajudar a resolver. Como a História irá se manifestar nos próximos anos sobre os nossos governantes?
Qual será o seu valor real?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.