quinta-feira, 23 de abril de 2015

"GLOBO" NASCEU SOB AS BENÇÃOS DA DITADURA

Sanguessugado do Democracia e Política

Globo cresceu às custas da Embratel, financiada com dinheiro público O jornalismo que ataca a democracia

Do "Instituto Telecom"


"No dia 26 de abril, a 'Rede Globo', maior conglomerado de comunicação do país, fará uma grande festa para comemorar seus 50 anos.

Os movimentos sociais que lutam pela democratização das comunicações brasileiras se organizam para [amanhã], dia 23, promoverem atos intitulados de “descomemoração”.

É a resposta da sociedade organizada a um grupo jornalístico que, nesse meio século de existência, tem prestado enorme desserviço à verdade e à democracia.

Criada oficialmente em abril de 1965, a TV Globo nasceu sob as bênçãos da ditadura que, um ano antes, havia promovido o golpe militar contra o governo legitimamente eleito de João Goulart.

Em setembro daquele mesmo ano, o governo militar criaria a Embratel (Empresa Brasileira de Telecomunicações). A ideia era montar uma grande infraestrutura nacional que pudesse levar aos brasileiros de todas as regiões a visão única e reacionária dos militares.

A TV Globo forneceria o conteúdo e a Embratel a rede de telecomunicações. Num processo de canibalização de diversas emissoras regionais, a Globo se transformou numa potência de comunicação. E jamais foi uma afilhada mal agradecida.

Durante todo o período militar, a Rede Globo serviu com entusiasmo seus padrinhos. O símbolo maior dessa subserviência foi um programa lançado na TV Tupi, mas imediatamente contratado pela TV Globo – "Amaral Netto, o Repórter".

Apresentado por um ex-deputado udenista que passou pelo MDB e, a partir de 1966, se filiou ao partido oficial da ditadura, a Arena, o programa era o porta-voz dos “grandes feitos” militares. Apresentado em horário nobre – primeiro aos sábados e, depois, aos domingos à noite – durou de 1968 a 1983.

Em 1984, quando os brasileiros voltaram a ocupar as ruas em manifestações populares exigindo eleições diretas para a presidência da República, o governo do general João Figueiredo agiu com a truculência de sempre tentando impedir o avanço da campanha das "Diretas Já".

Contou com o aliado de todas as horas, o Sistema Globo, que escondia as manifestações até ser atropelado pelas multidões que lotavam as avenidas do Rio e de São Paulo e, em seguida, de todas as capitais brasileiras. Apesar disso, a Emenda Dante de Oliveira foi rejeitada na Câmara dos Deputados.

Com a redemocratização, em 1985, e a inesperada posse de José Sarney na presidência, as Organizações Globo se mantiveram ao lado dos vitoriosos.

E conseguiram emplacar ninguém menos que um grande amigo da família, o político baiano Antônio Carlos Magalhães, como ministro das Comunicações. Conhecido como "Toninho Malvadeza", o ministro fez justiça ao apelido, perseguindo políticos desafetos e trabalhadores.

Em 1987, Magalhães tentou beneficiar a Globo, passando por cima da lei, no chamado "Caso Vicom". A "Vicom" era um consórcio formado pelas Organizações Globo, Bradesco e Victori Comunicações para explorar um serviço de comunicações de dados, prerrogativa exclusiva da Embratel, então estatal.

O contrato só não foi adiante porque os trabalhadores da Embratel, a partir do Rio de Janeiro, realizaram uma greve nacional.

No processo de elaboração da Constituição de 1988, a Globo liderou os setores que se opunham ao Capítulo da Comunicação Social. Por força dessa pressão, que permanece, até hoje os artigos 220 e 223 da Constituição não foram regulamentados.

Sempre na contramão dos interesses populares, na eleição de 1989, a primeira depois do fim da ditadura, a Globo editou o debate entre Collor e Lula, favorecendo Fernando Collor, o “Caçador de Marajás”, candidato dos meios de comunicação e das elites.
Collor foi afastado em 1992, depois de ter sofrido o impeachment, e a Globo desembarcou de mala e cuia na campanha de Fernando Henrique Cardoso/PSDB.

Apoio que se estendeu pelos dois mandatos de FHC, o presidente que teve um destacado papel na destruição da indústria nacional, privatizando e desnacionalizando [dentre outros] um setor chave, o das telecomunicações.

Em 31 de agosto de 2013, editorial do jornal O Globo intitulado “Apoio editorial ao golpe de 64 foi um erro”, fazia uma autocrítica às posturas adotadas pelo grupo jornalístico.

Em determinado trecho, o editorial afirma que “a lembrança é sempre um incômodo para o jornal, mas não há como refutá-la. É História. O Globo de fato, à época, concordou com a intervenção dos militares, ao lado de outros grandes jornais, como o Estado de São Paulo, Jornal do Brasil e o Correio da Manhã“.

Os fatos recentes demonstram que essa autocrítica foi mais uma jogada de marketing.
As Organizações Globo continuam na linha de frente do combate aos trabalhadores e à democratização do país. Apoia a lei nefasta da terceirização em massa, o PL 4330/04, e se coloca contra qualquer tentativa de regulação da mídia.

As manifestações programadas para [amanhã], dia 23, pretendem demonstrar que a sociedade brasileira está cansada de manipulações."

FONTE: do "Instituto Telecom". Transcrito no portal "Viomundo" (http://www.viomundo.com.br/denuncias/globo-cresceu-as-custas-da-embratel-financiada-com-dinheiro-publico.html).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.