domingo, 8 de março de 2015

A DOR DE CORNO ESSA PANTERA

Sanguessugado do Mello

Antonio Mello

Num Brasil ideal todo mundo conheceria pelo menos os Versos Íntimos de nosso exótico e genial poeta Augusto dos Anjos.

Nele há dois versos que dizem "Somente a ingratidão - esta pantera - / foi tua companheira inseparável".

Daí para o título desta postagem foi um pulo. Porque, para o chifrudo, o corneado, o chifre é antes de tudo uma ingratidão.

Sim, porque ele a amava taaaanto... Como foi fazer isso com ele?

E isso me veio à cabeça (sem os chifres)  ao passar pelo Largo do Machado e ver um sujeito sentado, tendo ao lado uma caixa de som de onde saíam sons dos cds que ele vendia, ao preço de 15 pilas.

Não foi a primeira vez que o vi ali. Me parece uma figura envelhecida de alguém que sei que fez sucesso em certa época do passado, mas de  quem não me recordo o nome nem os sucessos (outro dia paro pra falar com ele e conto a vocês, mas não hoje).

O que me chamou a atenção foi o refrão da música que tocava enquanto eu passava:

"Tu casaste na igreja
Onde um dia confessou
Que era meu, somente meu
O seu amor"

E aí me veio à cabeça (como um chifre de raciocínio) que não é das grandes causas, dos grandes questionamentos filosóficos, que vêm as nossas grandes dores.

Mas de uma topada com o pé, uma dor de dente, um torcicolo... Uma briga entre irmãos, uma palavra mal falada por um amigo, ou até o chefe ou colega de trabalho...

Incomodam demais um ascensorista de cara emburrada, um garçom que nos trata como um cliente "inferior", o porteiro que não responde ao nosso Bom Dia.

E também aquela malvada que se casa com outro na igreja onde nos jurou amor eterno.

Este mundinho miúdo do cotidiano é enfim aquilo que nos faz partícipes do mesmo mundo, onde a ingratidão (sim, porque sempre achamos que o mundo não nos retribui à altura do que doamos), onde a ingratidão, dizia, é nossa companheira inseparável.

Sofremos por motivos que outros acham ridículos. Mas assim é a vida.

Afinal, cada Napoleão tem sua Waterloo particular.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.