quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Tribunal dos EUA condena Palestina a pagar US$ 218 milhões a vítimas de atentados em Israel

Via Opera Mundi

Redação

Advogado de acusação argumenta que ataques foram financiados por ANP e OLP; palestinos negam participação em ataques que mataram cidadãos norte-americanos

Um júri popular de Nova York ordenou que a ANP (Autoridade Nacional Palestina) e a OLP (Organização para a Libertação da Palestina) paguem mais de US$ 218 milhões a vítimas de atentados realizados em Jerusalém entre 2002 e 2004, que feriram e mataram cidadãos norte-americanos.

De acordo com o tribunal, ambas as entidades tiveram responsabilidade nos ataques. O valor da multa pode ser triplicado se os atos forem considerados terroristas, de acordo com a legislação norte-americana. A decisão foi tomada na última quinta-feira (19/02), mas o resultado só foi divulgado nesta segunda (23/02).

Agência Efe

Protesto realizado na sexta (20/02) em Qadomen contra assentamentos israelenses na localidade

De acordo com a France Presse, os condenados poderão recorrer da decisão.

O advogado do grupo que entrou com a ação, Kent Yolowitz, argumentou que os ataques realizados pelos grupos Brigadas al-Aqsa Martyrs e Hamas— nos quais morreram 33 pessoas e 450 ficaram feridas — só ocorreram porque a ANP e a OLP “deram oxigênio aos terroristas”.

Ambas as entidades negaram qualquer responsabilidade com o atentado. “Não há evidências concretas de que altos cargos da ANP ou da ONP participaram do planejamento ou aprovaram atos específicos de violência”, afirmou o advogado dos palestinos, Mark Rochon.

O juiz George Daniels, por sua vez, declarou que os palestinos não gozam da imunidade conferida a governantes de países reconhecidos como Estado.

Agência Efe

Soldado utiliza rifle em meio a protesto em Qadomen

Diante dos crimes cometidos por Israel na Palestina, a ANP ameaça levar o país ao Tribunal Penal Internacional de Haia.

Corte de energia

Também nesta segunda, a companhia nacional de eletricidade de Israel cortou termporariamente o fornecimento a duas cidades palestinas como forma de retaliação ao não pagamento de uma dívida de US$ 489 milhões.

O vice-primeiro-ministro e ministro de Economia, Mohamed Mustafa, afirmou que a conta anual de fornecimento de energia “esgota as finanças palestinas”, dependentes de doações internacionais e da transferência de dinheiro arrecado por Israel.

Mas, desde janeiro, o governo do primeiro-ministro israelense, Benjamín Netanyahu, congelou as transferências como retaliação à campanha da Palestina contra o país na Corte Penal Internacional para acabar com a ocupação da Cisjordânia e de Jerusalém. Desta forma, a Palestina não tem recursos para pagar os funcionários públicos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.