quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Rute, a moabita

Sanguessugado do Bourdoukan

Georges Bourdoukan

Ganhei uma bíblia, mas tive que assistir a missa.

O que acabou me remetendo à minha infância no Líbano quando era obrigado a assistir a missa todos os domingos.

Dos cinco aos nove anos de idade fui coroinha.

Explico: meu tio-avô era o padre da nossa aldeia.

Padre católico melquita, esclareça-se.

O sacerdote que me presenteou a Bíblia pediu para que eu lesse o capítulo que fala de Ruth.

Disse ao padre que já havia lido e relido a Bíblia, assim como também o Alcorão.

Ele insistiu para que eu lesse a história de Ruth.

Li e reli.

É impressionante como a gente deixa passar fatos tão importantes.

Repito, li, reli e conheço muitos trechos da Bíblia devidamente decorados, mas a leitura de Ruth me surpreendeu.

Principalmente quando descubro que ela não era judia, mas moabita.

Ruth, como os leitores do Livro Sagrado sabem, vem a ser Avó de David e bisavó de Salomão e, naturalmente de todos os seus descendentes, principalmente o mais nobre de todos, Jesus Cristo, o ilustre filho da  Palestina.

E o que isso significa?

Tudo e muito mais.

Como se sabe, os judeus reconhecem como judeu somente quem nasce de mãe judia.

Em poucas palavras, Ruth era moabita, portanto David, Salomão e Jesus não são judeus.

É verdade que isso não teria a menor importância não fosse a avassaladora propaganda judaica, em nome deles e de Abraão, para justificar a invasão e a ocupação da Palestina.

E pesquisando ainda mais, não encontrei nenhuma escritura onde Deus oferece a Palestina ou qualquer pedaço de terra a Abraão e seus descendentes.

E se houve alguma oferta de Deus, ela sem dúvida alguma  coube ao primogênito de Abraão, pois nas sociedades semíticas, o primogênito era  sempre  o herdeiro.

E o primogênito de Abraão como todos sabem foi Ismael, considerado o pai dos árabes.

Portanto meus amigos e de acordo com o Livro Sagrado, a Palestina  ( incluindo Israel) sempre foi terra árabe e aos palestinos  pertence.

Palavra da Bíblia.

Ou será que a Bíblia está equivocada?

O vídeo abaixo me foi enviado gentilmente pelo leitor Carlos Cobalto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.