segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Libertador

Sanguessugado do Palavras Insurgentes
Elaine Tavares
Assisti ontem o filme “Libertador”, uma superprodução venezuelana que conta a história de Bolívar. Apesar de alguns erros históricos, normais, porque o cinema sempre busca algum elemento para ligar as histórias ou coisa assim, o filme é muito bom. Ressalto apenas a omissão da importante participação de Pettion, do Haiti, no processo de libertação. Sem a ida de Bolívar ao Haiti e a providencial ajuda do presidente daquele país, talvez a história fosse outra. Isso não aparece no filme. Uma pena. Mas, no demais, o filme é como um punhal na nossa carne. Fica muito clara a participação danosa de Santander e sua traição, bem como o erro estratégico de Simón (humano, demasiado humano) que não quis condená-lo a morte, permitindo que ele ficasse livre e seguisse tramando contra ele. Esse erro acaba levando o próprio Bolívar à morte, bem como o grande marechal Sucre.
A última cena do filme que pude ver foi o momento em que Sucre, então um jovem de 24 anos e já mariscal, provado na luta renhida, se despede de Bolívar para ir ao encontro da morte, assassinado que foi por sicários a mando de Santander. Seu rosto jovial, transparente de esperança, seu manto negro esvoaçando, e a visão dos matadores no seu encalço, foi o suficiente para mim. Não pude mais seguir, e ver o filme até o final porque ao que indicava a narrativa, mostraria a triste morte do Libertador. Fugindo dos inimigos da Pátria Grande, ele enfrenta temporais, atravessa rios e termina sozinho num catre sujo. Morre aos 46 anos, buscando desesperado pelo ar e certo de que tudo pelo qual lutou foi em vão.
O homem que travou mais de 100 batalhas, que percorreu duas vezes mais território que Alexandre, o Grande, que fez, no lombo do cavalo, mais de 120 mil quilômetros, que atravessou as montanhas geladas dos Andes duas vezes, acabou traído pelos generais que queriam cada um o seu país para comandar. Com ele, se foi o sonho de uma grande pátria, unida e forte, só renascido agora, com Chávez, outro que também já se foi.
Apesar de lindo e bem feito, o filme me colocou no chão. As cenas do Sucre indo embora e a de Bolívar, encharcado, tentando alcançar a margem, não me saem da mente. Passei a noite revirando, em lágrimas. Doendo a morte de uma das ideias mais generosas que tivemos em nossa Abya Yala. Bolívar e suas contradições, suas fraquezas, seus erros, seu liberalismo eivado de europeísmo. Mas, ao mesmo tempo, um homem capaz de querer um mundo diferente e, mais que isso, marchar - com erros e acertos  - para sua construção.
O filme Libertador foi um sucesso de bilheteria na Venezuela esse ano e está entre os indicados para o Oscar de filme estrangeiro – coisa estranha. Vale a pena ver, abstraindo os clichês. As cenas da batalha de Boyacá são absolutamente incríveis, com a tomada da ponte que servia de barreira para o avanço das tropas patriotas. Com a heroica atuação dos llaneros, os negros e a gente empobrecida da Venezuela, essa batalha foi decisiva para a chegada da independência.


Um comentário:

  1. Quanta coincidência (ressonância) também estava assistindo o filme ontem. Emocionante, Vi até o fim fantástico! Muito bem feito inda que com suas ressalvas; . reforça cada vez mais minha teoria conspiranóica. Sinto muito, me perdoe, te amo, sou grato. Muita PAZ para você. Um fraterno abraço.

    ResponderExcluir

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.