terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Glória a Deus nas alturas! E paz na Terra a quem não pirateia musiquinha

Sanguessugado do Sakamoto

A resposta sobre o porquê de o mundo punir quem baixa uma musiquinha e sorrir para quem se beneficia da escravização de uma mina de metais raros na África reside no fato de que, historicamente, as leis criadas para proteger a propriedade e o lucro são mais severas e efetivas do que as que foram implantadas para defender a vida e a dignidade.

Leonardo Sakamoto

Vai chegando o Natal, data em que celebramos o nascimento do Consumidor, e com ele retornam as reportagens sobre pirataria na TV.

O que prova de forma cabal o quanto o lobby de grandes empresas de software, música e brinquedos tem poder.

De tanto ouvir e ver propagandas em rádios, TVs e cinemas que me fazem sentir um pedaço de titica, um desgraçado financiador do tráfico de drogas, de armas e de seres humanos, responsável pelo desemprego e pela fome no mundo por não me atentar à pirataria de produtos que compro ou dos arquivos que baixo, decidi me rebelar.

Parafraseando John Cusack, em Alta Fidelidade, baixarei músicas a fim de produzir coletâneas-presentes aos amigos neste Natal. Serei eu, através desse ato tresloucado, e não o Napster, o Torrent e o 4Shared o responsável por quebrar a indústria fonográfica.

É imoral. Mas comprar de quem escraviza e desmata para a produção de matéria-prima para a tecnologia de ponta não?

A resposta sobre o porquê de o mundo punir quem baixa uma musiquinha e sorrir para quem se beneficia da escravização de uma mina de metais raros na África reside no fato de que, historicamente, as leis criadas para proteger a propriedade e o lucro são mais severas e efetivas do que as que foram implantadas para defender a vida e a dignidade.

Como já disse aqui antes, se as indústrias da informação e do entretenimento não podem comprovar para o consumidor comum de que o seu processo de produção é social e ambientalmente responsável, como é que eles vão exigir a mesma responsabilidade de nós?

E ser responsável não é fazer assistencialismo digital e caridade 2.0. Não significa doar computadores para orfanatos, informatizar ONGs ou ser simpático ao distribuir softwares gratuitamente a instituições de ensino (há várias formas de viciar uma criança, sabia?). Mas evitar que o seu processo de produção atente contra a dignidade.

Topo pagar a mais por um produto feito de forma justa. O que não topo é endeusar uma industria que se veste de moderna mas se beneficia do anacronismo.

Apologia ao crime? Não.

Mas a verdade é que quebrar regras a fim de dificultar a vida de empresas que dizem que geram empregos mas se beneficiam com a exploração direta ou indireta do alheio significa crime para uns.

E resistência para outros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.