quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Dilma e a síndrome do Pajé

Sanguessugado do Renato Rovai

 

cacique e pajé

O telhado onde o nome de Joaquim Levy subiu parece ser firme o suficiente para não cair nas primeiras ventanias e seu nome vem se consolidando como quase certo para a Fazenda. Dilma vai neste final de semana para Fortaleza participar de um encontro do PT. Se porventura anunciar seu nome antes, o recado é um. Se vier a conversar com dirigentes do partido para anunciar a equipe econômica depois, o recado é outro.

No PT, a preocupação atual começa a ser a de que Joaquim Levy não assuma com carta branca para fazer o que achar conveniente. Há preocupação, por exemplo, com as nomeações das direções dos bancos públicos. O BB e a CEF têm tido papeis importantes na ampliação do crédito e em programas como o Minha Casa Minha Vida. Outra preocupação é que ele não se torne um pajé do governo.

Em 2003, Palocci virou o pajé de Lula. O ex-presidente queria aumentar o salário mínimo, tinha quase todo o governo querendo o mesmo,  mas Palocci conseguiu impedir que isso acontecesse. Na época, um ministro em conversa reservada denominou o caso de síndrome de pajé. O cacique (Lula) mesmo querendo fazer algo ia conversar com o homem da tribo que tinha acesso aos deuses. No caso do governo, os deuses do mercado. E o pajé dizia que se o cacique fizesse isso, choveria fogo. O pajé acabava mandando no governo.

É verdade que atualmente as condições do país são muito mais conhecidas do que naquele momento, que há gente na economia com posições menos ortodoxas e que Dilma é alguém que interfere mais diretamente na economia do que Lula, mas mesmo assim o risco sempre existe.

O PT parece até ter assimilado que o remédio Levy pode ser ruim, mas já é um fato. A questão agora parece administrar a dose. Uma super dose de ortodoxia pode até não fatal para a macroeconomia, mas seria desastrosa do ponto de vista da política para quem ganhou as eleições fazendo um discurso mais à esquerda. E é isso o que mais preocupa quem sabe que a tecnocracia é pra lá de uma ação política.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.