quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Surpreendente: Água: a origem

Sanguessugado do Informação Incorrecta

Max

Insólito: quanto é antiga a água?

A água que ocupa dois terços do nosso planeta é mais antigas do que a Terra. E é até mais antiga do que o Sistema Solar.
Esquisito? Na verdade nem tanto. Sabemos que a água existe fora do nosso planeta também: é o caso dos cometas, cujos núcleos contêm uma elevada percentagem de gelo de água.
Sabemos que existem outros planetas além do nosso Sistema e sabemos que alguns deles têm condições para ter água (aliás, moléculas de água já foram detectadas em planetas extra-solares).
Será que toda a água presenta no nosso planeta gerou-se por processos químicos logo após a formação (ou criação, depende dos gostos) da Terra?
A resposta neste caso é simples: não. De facto, faltava o "material" para gerar tanta água. Muita da água tem que ter chegado "de fora" e os maiores suspeitos são outra vez os cometas, que nos primeiros tempos de vida da Terra chocavam com frequência com o nosso planeta.
Mas também aqui há uma dúvida: os cometas presentes no nosso sistema solar teriam sido suficientes?  
Um grupo de astrofísicos, químicos e cientistas da Universidade de Michigan (EUA) e da Universidade de Exeter (Grã-Bretanha) reconstruiu a história do gelo no sistema solar numa pesquisa publicada nas semanas passadas na revista Science.
A água é amplamente presente no sistema solar, nos minerais da Lua e de Marte, nas crateras no lado escuro de Mercúrio e, especialmente, nos cometas e nos meteoritos: mas a sua origem é muito debatida.
De acordo com uma teoria, a água gelada teria sido formada dentro do disco protoplanetário de gás e poeira que rodeava o Sol no momento do seu nascimento, enquanto que a hipótese rival afirma que teve origem no espaço interestelar, bem fora do Sistema Solar.
Pode fazer confusão a ideia de água que chega "de fora" do Sistema Solar, mas é bom não esquecer que a matéria da qual somos feitos (tal como toda a matéria do Sol e dos relativos planetas) é o fruto da explosão duma estrela anterior: na prática, todo o Sistema Solar vem "de fora".  Explica Conel M. O’D. Alexander, um dos autores do estudo:

Se a água do sistema solar primitivo foi largamente herdada do gelo do espaço interestelar, é provável que este tipo de gelo, e a matéria orgânica pré-biótica que contêm, sejam abundantes na maioria dos discos protoplanetários que depois formam as estrelas. Se isso for o resultado de processos químicos que ocorrem no local durante o nascimento do Sol, a presença de água em outros sistemas solares podem ser muito diferentes, inferior, com implicações óbvias para o possível surgimento de vida em outros lugares.

Para reconstruir a história do gelo, os investigadores concentraram-se na relação ao seu conteúdo de água e de água pesada, aquela molécula de água em lugar de hidrogénio é presente o isótopo deutério, cujo núcleo é constituído por um protão e um neutrão ao invés de um único protão. Estas características fazem com que as condições em que se podem formar estes dois tipos de água sejam diferentes.
Alexander e os seus colegas desenvolveram sofisticados modelos para simular os processos químicos que poderiam ter ocorrido dentro do disco protoplanetário do sistema solar, e estabelecer assim o valor da relação entre a água e a água pesada formadas nessas condições.
Ao comparar os resultados da simulação com os níveis de água pesada nos oceanos da Terra, cometas e amostras de meteoritos que chegaram à Terra, os pesquisadores descobriram que são demasiado elevados para ter sido originados a partir do disco protoplanetário.
Como resultado, uma proporção significativa de água, 30-50 % nos oceanos da Terra e 60-100 % nos cometas e meteoritos, deve ter-se formado no espaço interestelar, o que aumenta a probabilidade de que a vida esteja presente em outras partes do universo.
E sim, boa parte da água é mais antiga do que o nosso planeta e o nosso Sol.
Ipse dixit
Fonte: Le Scienze

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.