quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Os vagabundos do mercado financeiro

Sanguessugado do Miro

 Bepe Damasco, em seu blog:


"Fulano não dá prego em barra de sabão". Essa expressão popular usada para se referir a quem não é chegado ao batente cai como uma luva no tal mercado financeiro. Aqui e no mundo inteiro ele busca o dinheiro fácil, sem a contrapartida do suor do trabalho. Por isso, não hesita em lançar mão de factóides, rumores infundados e mentiras deslavadas. Vive da especulação. Incapaz de produzir um parafuso sequer, está sempre à espreita ao redor do planeta para organizar ataques especulativos às moedas nacionais, como já fez em todos os continentes. É essa gente que se arvora no direito de saber o que é melhor e o que é pior para o povo que trabalha e produz as riquezas do país, derrubando a bolsa e o dólar artificialmente para prejudicar a presidenta Dilma. Mas não passarão.


E não é a primeira vez que isso acontece no Brasil. Em 2002, no desespero para tentar impedir a vitória de Lula, os rentistas apelaram para o terrorismo explícito alçando o valor do dólar a estratosféricos 4 reais. Agora, em 2014, também sem nenhum fundamento econômico real, a bolsa de valores, que já desabara 11% em setembro, permanece em queda nesta quarta-feira, 1º de outubro. A aproximação da vitória de Dilma Rousseff, se não já no próximo domingo, com certeza no dia 28 de outubro, deixa em polvorosa os investidores e mandachuvas de um certo bunker da vagabundagem oficializada, que atende pelo nome de bolsa de valores.


Para se ter uma ideia do nível de alienação do mercado financeiro em relação à vida das pessoas de carne e osso, basta que o caro leitor responda à seguinte pergunta : quantas pessoas você conhece que vivem do sobe e desce especulativo da bolsa ? Que eu saiba trabalhador brasileiro sequer cogita arriscar suas suadas economias na bolsa. Isso é coisa restrita a uma casta de privilegiados que pode se dar ao luxo de perder dinheiro caso os papéis se desvalorizem.


A imensa maioria de homens e mulheres que vive do seu trabalho não está nem aí para a gangorra da bolsa. Por isso, o terrorismo especulativo contra Dilma e o PT está condenado ao fracasso. Foi assim em 2002. Será assim agora. Isso porque quem trabalha define seu voto por questões que têm a ver diretamente com a sua vida, tais como emprego, renda, educação, saúde, educação, habitação, combate à miséria e à pobreza, programas de inclusão social, dentre outras.


As manchetes estrondosas que o monopólio midiático estampa sobre a queda das bolsas e a subida do dólar segue o diapasão patético de sempre, julgando que o eleitor é idiota. Mas o povo quer que o mercado financeiro se dane. Tanto assim que esse período de queda acentuada no Índice Bovespa corresponde exatamente à subida de Dilma nas pesquisas. O problema é que o mercado apostou suas fichas primeiro em Aécio e depois em Marina. Agora, arranca os cabelos para se desfazer de suas posições.


A guerra especulativa do mercado contra o governo federal gera situações absurdas.Não cabe na cabeça de ninguém que a Petrobras, que já produz 500 mil barris de óleo extraído da camada do pré-sal, e avance a passos largos para fazer do Brasil um país exportador de petróleo, possa ver suas ações despencando na bolsa aos sabor dos humores político-eleitorais do mercado financeiro.


A oposição e a mídia partidarizada também não se cansam de explorar uma suposta queda do valor de mercado da Petrobras na bolsa. Não dê ouvidos a essa patifaria. A Petrobras é vista no mundo todo como uma das mais importantes empresas de energia do planeta. E nunca valeu tanto. Quem não vale um tostão furado é o patriotismo do mercado financeiro e a credibilidade de seus porta-vozes da mídia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.