sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Quem será a próxima vítima do sistema?

Sanguessugado do Bourdoukan

Georges Bourdoukan

                      Essa imagem já não sensibiliza mais

Quer se goste ou não, a guerra que os Estados Unidos e seus aliados travam contra o que eles chamam de "guerra ao terror" já tem dois vencedores. A indústria bélica e a Internacional Islâmica.

A indústria bélica porque está conseguindo várias nações para realizar novos testes e também para se livrar das armas obsoletas.

E a Internacional Islâmica porque, pela primeira vez na história, assiste-se a manifestação a lembrar a Guerra Civil Espanhola, quando internacionalistas de todo o mundo se uniram para enfrentar o fasci-nazismo.

O clima de intolerância, de racismo e de ódio contra os muçulmanos contou com a adesão imediata da mídia que ignorou seu papel de informar para se transformar em feroz propagandista.

O que a mídia do Ocidente faz por convicção, a mídia terceiro-mundista faz por ignorância, ou por desconhecimento total do mundo que a cerca.

No Alcorão está escrito que tudo o que há no céu e na terra pertence a Deus.

E o que pertence a Deus pertence a todos.

E que Deus não gosta dos mustakbirun (arrogantes).

E são esses mustakbirun que hoje governam a humanidade que, apesar dos avanços tecnológicos, matam pela fome e pela exclusão mais do que todas as guerras, desde a aurora da humanidade.

São eles os culpados pela jahiliya ( ignorância e barbárie).

Lutar contra a jahiliya é salvar a humanidade.

No Alcorão está escrito que quem salva uma vida salva a humanidade.

Os Estados Unidos e seus submissos respondem disparando milhares de misseis.

Cada míssil disparado daria para alimentar 50 mil seres humanos durante um mês.

Mas alguém se importa?

O sistema precisa de inimigos. Os muçulmanos de hoje são os comunistas de ontem.

E amanhã será a vez de quem?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.