terça-feira, 20 de junho de 2017

Neves: Gilmar é incompatível com a honra, a dignidade e o decoro do STF

Sanguessugado do Tijolaço

Fernando Brito



Ontem, na saída de um debate (debate? com ele?) no Recife, promovido pela empresa de João Doria, o ministro Gilmar mendes tratou, como de hábito, a patadas os autores do pedido de impeachment que lhe movem os juristas Marcelo Neves e Cláudio Fonteles, ex-Procurador Geral da República.

“Foram dois falsos juristas. Um deles é daqui de Pernambuco, o Marcelo Neves, muito malsucedido. Inclusive, foi expulso da Universidade de Brasília (UnB) por mau comportamento. O outro, Cláudio Fonteles é péssimo. Na Procuradoria-geral da República era chamado de Doutor Inércia”, desqualificou Mendes, incomodado, como registra o Blog do Diário de Pernambuco.

Fonteles preferiu não responder. Mas Neves enviou ao blog uma nota que vale a pena transcrever, trazida pelo Facebook do jornalista Luís Costa Pinto.

“O sr. Gilmar Mendes é useiro e vezeiro em desviar a atenção dos seus malfeitos com ataque às pessoas. Ele não responde objetivamente ao conjunto de graves infrações que lhe imputamos em duas denúncias por crime de responsabilidade perante o Senado (impeachment), uma reclamação disciplinar perante o STF e uma notícia de crime perante a Procuradoria Geral da República. Foge de tudo, com ataques pessoais.

Ele já se afastou há muito tempo da conduta compatível com a honra, a dignidade e o decoro do cargo de Ministro do STF. Exerce ilegalmente atividades partidárias, julga em casos nos quais advogados do escritório de sua esposa atuam como advogado da parte, encontra-se a portas fechados com o sr. empresário Joesley Batista acompanhado do seu advogado, um empresário investigado criminalmente pelo STF à época. Recebe dinheiro desse empresário via IDP, do qual é sócio. O IDP tem sido de fato ilegalmente administrado por ele, como é público e notório e constava na Receita Federal até novembro de 2016. Ataca injuriosamente colegas, as partes, membros do Ministério Público, instituições etc. Ele já praticou praticamente todos os crimes de responsabilidade previsto no art. 39 da Lei nº 1.079/1950.

Ele deveria esclarecer sua amizade com Riva e Silval [nota do Tijolaço: Silval Barbosa, ex-governador do MT, corrupto confesso e preso, até a semana passada] até  no Mato Grosso e a venda da Faculdade de seu irmão nesse Estado, que dependeu de uma emenda à constituição estadual. Como foi isso?

Do ponto de vista de carreira, é bobagem o que diz o Ministro sobre mim. Comparem meu currículo com o dele no Lattes. Ele é um mero manualista do direito, que chegou ao STF bajulando políticos como Color e FHC. Um colega disse que ele é a Ivete Sangalo do direito. Eu entendo que isso é uma agressão a Ivete Sangalo.

Fui demitido injustamente da FGV em 2005. Pela injustiça da demissão recebi indenização por dano moral em torno de R$ 1.000.000 (um milhão de reais). Além disso, a FGV teve que se retratar na imprensa, inclusive no Conjur, que é do grupo do Sr. Gilmar.


Afastei-me dele porque me convenci que é um ser de baixíssima estatura moral, indigno de conviver comigo. Gilmar Mendes está para o Judiciário como Eduardo Cunha está para o Legislativo. Quem são os amigos dele: Riva, Sival, Aécio, Temer, Jucá, entre outros. Eu sou amigo de Fonteles. Tirem as suas conclusões“.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.