quarta-feira, 24 de maio de 2017

O Reichstag de Michel Temer. Até foto falsa vale

Sanguessugado do Tijolaço

Fernando Brito

reich

A primeira providência de Michel Temer, assim que estourou o escândalo da gravação do diálogo com Joesley Batista foi convocar uma reunião de comandantes das Forças Armadas, com Raul Jungman e seu general-de-palácio, Sérgio Etchegoyen.

Aos primeiros, certamente, dirigiu-se de maneira formal e republicana, até porque eles são homens calejados com aqueles que, na expressão do marechal Castello Branco, são as “vivandeiras de quartel”.

Com os  dois outros, há dúvidas.

Dado o raciocínio de padrão vermicular de Michel Temer não se pode descartar a ideia de que se propagasse para a política aquilo que ele já fizera com a economia: que sem ele seria o caos.

O esforço para promover argumentos que ajudassem essa ideia é imenso.

Ao ponto de um ministro de Estado (Osmar Terra, da Agricultura) postar uma foto de um incêndio em 2005 como se fosse de hoje.

Há muita coisa a indicar que Temer montou um “incêndio do Reichstag” tupiniquim, atribuindo á esquerda uma vocação “subversiva”.


O elemento de desestabilização da ordem no Brasil chama-se Michel Temer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.