segunda-feira, 15 de maio de 2017

Historinha sob o regime de trabalho intermitente

GilsonSampaio

23hs. 

Você está no maior clima love com a mulher amada e o celular toca(pode ser sertanojo ou axe ou pagode).

- É o Deiveclerbeson?

- Sim.

- Tô precisando de você agora pra dar cobertura naquela empresa Nó em Pingo d'Água. O Máiquissom deixou furo pela segunda vez. Ele tá fora. E vai ser difícil pra ele arrumar emprego porque vou sujar ele com as outras empresas.

- Mas.. chefe, eu tô no maior love. Num dá pra arrumar outro não?


- Dá não. Guarda esse tesão que é só por duas horas. Fala pra patroa que depois você compensa.

* * *

- Num vem não, Deive. Desse jeito tá foda. Agora você vive em função dessa desgraça de emprego intermitente. O folgado lá estala o dedo e lá vai você que nem cachorrinho amestrado pra trabalhar o quanto ele precisa. Você sempre está de plantão. Você não percebe? Você não tem tempo pra mim, não tem tempo pras crianças. Nem pros amigos você está tendo tempo. É só tocar o celular e lá vai você trabalhar 2 ou 3 horas pra ganhar uma merreca e praticamente sem direitos.

- Mas bem, não é que eu não procure. É que emprego fixo quase já não existe mais. Esses filhos da puta que deram golpe acabaram com o trabalhador. Se arrependimento matasse, eu já tava morto por ter acreditado na grobo e ter pintado a cara e vestido a camisa da seleção pra tirar a Dilma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.