sábado, 4 de março de 2017

O ABC do neoliberalismo

Sanguessugado do Ulisses Ferraz 

Ulisses Ferraz


Neoliberalismo é quando os ricos transferem livremente suas riquezas para onde se pagam menos impostos, aplicam seus recursos onde os juros são mais elevados e deslocam seus empreendimentos para onde haja o mínimo de direitos trabalhistas e sociais. E vivem em qualquer lugar do mundo que assim o desejarem, cercados de muros, bens luxuosos e aparatos de segurança privada. São os habitantes das muralhas maravilhosas.

Enquanto isso, o resto da população trabalha para subsistir, sobreviver e consumir as sobras do mundo afluente. Endividam-se para ter o mínimo de conforto material e vivem onde é possível viver, cercados de insegurança pública. Quando pacíficos, os excluídos são abandonados. Quando violentos, são encarcerados. Um Estado mínimo garantido por presídios de segurança máxima. Austeridades sociais em meio a prodigalidades armamentistas.

Os neoliberais e seus aliados conspiram incansavelmente pelo desmantelamento das redes de proteção social, amparados por suas tropas de elite espalhadas pelas casas legislativas. Suas indústrias bélicas são amplamente representadas em seus interesses nos parlamentos e legalmente blindadas pelos poderes judiciários. Os bancos de investimentos são suas fortalezas mais sólidas. Jamais se acanham em se utilizar largamente das instituições democráticas em benefício próprio.


E para disseminar suas ideologias, os poderosos do capital e seus representantes corporativos cercam-se de acadêmicos vencedores do prêmio Nobel, de políticos pretensamente defensores da social-democracia e de porta-vozes midiáticos dos principais meios de comunicação. Mediante o mágico efeito da dominação simbólica, o neoliberalismo faz com que dominantes e dominados lutem por um mesmo ideal. É a globalização da ideologia. Uma distopia real. Aqui e agora. Essa é a verdadeira "revolução" do final século XX, cujos efeitos ainda reverberam incólumes em pleno século XXI.

2 comentários:

  1. Exatamente Gilson,

    E tem gente que crê que vivemos o ápice do domínio comunista mundial. O fabianismo. Que a Globo e demais veículos midiáticos fazem o jogo comunista. O que me parece bem nítido é que o mundo globalizado, é um mundo dominado pelas corporações. Os acordos que têm sido costurados através de tratados internacionais deixam explícitos quem comanda o jogo mundial. As corporações trabalham para criar mecanismos jurídicos em tribunais internacionais que lhes garantirão supremacia sobre as nações. É fato que esta ensaboada social democracia trabalho em conluio com a direita para que a agenda neoliberal alcance seus objetivos, qual seja, atropelar e desamparar o ser humano. Orwell e Huxley estavam errados quando previram um futuro em que o Estado por si só seria o carcereiro do homem. Onde todas as nossas ações, para serem realizadas, deveriam ter a chancela de um Superestado. Este Superestado de fato faz parte do plano, só que, tanto Orwell, quanto Huxley, não foram capazes de enxergar o que poderia se esconder por trás do Estado. As corporações. Muitos perderam a voz de tanto gritar alertando para o fascismo corporativo que se aproximava. Estes eram tirados como loucos. Antes tivéssemos todos um pouco da sua insanidade. Nem pretendo me alongar demasiado entrando na seara da indústria bélicaque trabalha em outra frente também, e de forma muita mais desavergonhadamente avassaladora, por cima e acima das administrações do Estado, principalmente nos EUA. Aí o caldo entorna de vez. O capitalismo ainda durará por bom tempo para infelicidade do homem e do planeta, mas seu prazo de existência está expirando. A sociedade tende, ou assim deveria ser, a evoluir. O capitalismo, como sistemas antes dele, foi árvore que deu fruto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também me faz lembrar o artifício usado para desacreditar as verdades ocultas: a pejoração de teorias com a alcunha de Teoria da Conspiração. Bildebergh, Iluminatti e outras tantas, ainda que com verdades evidentes são atiradas no balaio do folclore com a inestimável colaboração da mídia. E seguimos em frente com BBB's e que tais.

      Excluir

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.