segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Dez convicções sem provas

Via Correio do Povo

Sugerido por Renzo Bassanetti

Juremir Machado da Silva

O Ministério Público inaugurou uma nova era no fundamento jurídico: a convicção no lugar da prova.

Faz sentido.

O governo de Michel Temer nos dá a prova. Quer dizer, a convicção.

    Temer quer acabar com a CLT? Não temos provas, mas temos convicção. E projetos de lei.

    O governo Temer está cheio de corruptos? Não temos provas, mas temos convicções, delações, citações, investigações e as declarações do agora insuspeito Eduardo Cunha.

    O governo Temer é golpista? Não temos provas, mas temos convicção. A prova de que houve golpe, conforme o novo conceito de prova criado pelo procurado Henrique Pozzobom, é a impossibilidade de haver prova na medida em que jamais um golpista passou recibo do seu golpismo.

     O ministro Gilmar Mendes é tucano? Não temos provas, mas temos convicções de sobra.

    Os procuradores do Ministério Público adoram aparecer? Não temos provas, mas temos convicção, imagens, operações midiáticas, holofotes, rótulos criados para dar manchete e adjetivos em profusão.  
    O Brasil entrou na era da justiça espetáculo? Não temos provas, mas temos convicção. Basta ler Guy Debord para se ter a certeza de que o espetáculo da justiça é a justiça do espetáculo como reality show.

    Ministério Público e justiça, Deltan Dallagnol e Sérgio Moro, jogam juntos numa dobradinha chamada Lava Jato? Não temos provas, mas temos convicção. Um levanta a bola e o outro chuta. Tudo ensaiado.

    A corrupção nunca foi o verdadeiro objetivo da derruba de Dilma? Não temos prova, mas temos convicção. Basta ver que as panelas e as camisas amarelas ignoram Renan Calheiros e ministros de Temer.

    O objetivo de tudo é impedir que Lula seja candidato em 2018? Não temos provas, mas temos convicção. É o famoso “primeiro ela, depois ele”. A primeira parte já foi. A segunda está a caminho.


    O governo Temer é o queridinho da mídia. Temos convicção e até provas. Basta ler jornais e ver televisão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.