quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Mini era glacial terá início em 2019

Sanguessugado do GGN

Baixa atividade magnética no Sol pode indicar longo período de resfriamento global


Os astrônomos que monitoram o nosso sol estão preocupados com o baixo nível de atividades magnéticas em sua superfície. No final do mês de junho, as manchas solares desapareceram. O fenômeno pode indicar que a Terra passará por um longo período de resfriamento.

Alguns cientistas estimam que seu início vai ocorrer entre 2019 e 2020. O sol passará por alguns ciclos de baixíssima intensidade magnética e a Terra receberá menos energia solar. O efeito mais evidente será o frio. E o período de congelamento vai durar pelo menos 30 anos.

Isso reverte as expectativas do aquecimento global, mas traz uma série de novos problemas. Já se observou fenômeno semelhante na história. Entre os anos de 1645 e 1700 uma mini era glacial deixou os rios europeus congelados, causou perdas econômicas, destruição agrícola e fome.

Sugerido por Nilo Filho

Do Portal do Geólogo

Anomalia: Sol sem atividades magnéticas pode significar o início de uma mini era glacial

Pedro Jacobi

Nos últimos sete dias as manchas solares simplesmente desapareceram.

As manchas solares são áreas de intensa atividade solar por onde são irradiadas imensas tempestades magnéticas de altíssima energia. O poder destas irradiações afeta diretamente a Terra e o seu clima.

Há séculos sabemos que a cada 11 anos alternam-se períodos de grande intensidade de solar, onde as manchas estão bem desenvolvidas, com períodos de baixa atividade.

O fenômeno que estamos observando hoje parece se assemelhar com o que ocorreu entre 1.645 e 1.700, quando as manchas solares, que em média são de 40 a 50.000 foram reduzidas para apenas 50.

Foi um período de intenso frio na Terra, uma mini era glacial que deixou os rios europeus como o Tâmisa (pintura de 1677) completamente gelado, causando grandes perdas econômicas, a destruição da produção agrícola e a fome.

O desaparecimento das manchas solares por uma semana parece indicar, aos astrônomos, que estamos próximos de um novo Solar Minimum, quando ocorrem longos períodos de resfriamento: as eras glaciais e as mini eras glaciais.

O fenômeno vem sendo observado nos últimos anos e muitos cientistas começam, agora, a acreditar em um período de resfriamento global.

O assunto é apaixonante e está dividindo os cientistas.

Muitos apostaram todas as fichas no aquecimento global e não conseguem aceitar um mundo sem ele...

Deixaram de ser cientistas para serem lacaios de ideias preconcebidas.

Já a ausência das manchas solares de hoje parece estar apontando, inequivocamente, para um período de baixíssima intensidade magnética no Sol. Este processo deve continuar nos próximos anos até mudar drasticamente o clima terrestre, como o que ocorreu em 1.700.

Alguns astrônomos já marcaram a data do início da mini era glacial para 2019-2020.

Entre hoje e 2019 as manchas solares e as tempestades magnéticas ficarão mais raras: será mais um Solar Minimum quando a Terra receberá menos energia solar.

Veremos menos interferências nas telecomunicações, ausência de auroras boreais, menos problemas em satélites e, obviamente, frio, muito frio.

O período de congelamento vai durar um mínimo de 3 ciclos solares (30 anos).

Tudo leva a crer que a Terra, com essa mini era glacial, terá uma nova chance e que as piores previsões sobre o aquecimento global não passarão de um sonho ruim.

The Cosmos News


O Portal do Geólogo - 30/6/2016 - Pedro Jacobi (Com The Cosmos News)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.