domingo, 21 de agosto de 2016

Futebol - Wewerton, a gente te saúda

Sanguessugado do Palavras Insurgentes

Elaine Tavares


Amo essa arte de brincar com a bola, serpentar por entre pernas, enfrentar os esquemas táticos e técnicos com a alegria moleca, e enfiar a bola na rede numa explosão de beleza. Por isso, não me furto de curiar os jogos da seleção brasileira.

Ainda que eu saiba que tudo por ali é interesse e mercadoria, vez ou outra, como é comum, algo escapa. Ontem, na final olímpica lá estava eu, a postos, esperando por alguma beleza, dessas que rompem a lógica capitalista do futebol-negócio.

Foi um jogo até bom, bem disputado. Um belo gol de falta do Neymar. Mas, salvou o ouro aquele que é o esquecido, o que fica sob as traves e ao qual é imputada a dor da derrota, quando as bolas malévolas passam pelo risco humano que fica no meio do gol.

No ouro olímpico de ontem, a vitória veio pela ação segura de um garoto lá do Acre, dos fundões do Brasil: Weverton da Silva, que entrou no time por conta da contusão do titular.


A vida e suas surpresas. Valeu, gurizinho...  Foi bonito... E ainda que os jornais estampem as fotos do Neymar - que é mercadoria com melhor preço - a gente te saúda...  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.