terça-feira, 5 de julho de 2016

Vem coisa aí que apavora o STF, diz Helena Chagas

Sanguessugado do Tijolaço

Fernando Brito

zumbido
Da bem informada nos círculos brasilienses, Helena Chagas, no site Os divergentes:

É o mais tenso recesso do Judiciário dos últimos tempos, em meio às operações da Lava Jato e seus filhotes e aos rumores sobre a delação de um importante advogado, que já mencionamos aqui.

Em Brasília, segredos duram pouco, e o mundo jurídico já tem razoável certeza sobre a identidade do personagem. A versão mais recente, e mais amena, é que esse jurista teria descoberto negócios pouco ortodoxos de seu escritório com clientes envolvidos em lavagem de dinheiro e outros malfeitos. Ao saber que estava na mira dos investigadores – advogados sempre sabem – antecipou-se e negociou a delação, atribuindo os negócios a um antigo sócio, convenientemente falecido.
O detalhe é que esse advogado que negocia a delação tem excelentes relações não só com a cúpula do mundo jurídico, mas também com os políticos mais importantes de Brasília, sobretudo no comando do PMDB.

A bomba está para estourar. Mas Teori Zavascki, Rodrigo Janot e outros estarão de férias nos próximos dias. Quem vai resolver tudo no STF nesse recesso – inclusive prisões, cautelares e etc – é Ricardo Lewandowski, que ficou em Brasília tomando conta do lojinha.

Quando a coisa chega a este nível, está mesmo para estourar.

No país da delação, não há mais segredo que resista a este grau de “conhecimento geral”.

Só quando convinha, por exemplo, que um ladravaz com a folha corrida de Eduardo Cunha se elegesse presidente da Câmara para “detonar” o governo de esquerda, a poder de pautas-bomba.

Aí valia a pena tratar suas falcatruas de maneira quase “folclórica”.


A república da deduragem tomou o freio nos dentes e pouco importa a destruição do país.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.