sábado, 30 de julho de 2016

Um viva para o bem-estar norueguês: Noruega R$22 bi x Brasil R$ 8,5 bi.

GilsonSampaio

A Vale do Rio Doce foi privatizada, maio de 1997, por R$ 3 bi enquanto seu valor era de R$ 100 bi. O balanço da Vale em agosto já apresentava lucro de R$ 3,4 bi.

O campo de petróleo Carcará no pré-sal foi avaliado em R$ 22 bi, foi doado por R$ 8,5 bi à estatal Norueguesa Statoil. (Venda de Carcará: Petrobras perdeu hoje mais do que com aLava Jato inteira)

Um parêntesis sobre a estatal norueguesa, com destaque especial do segundo parágrafo, do Terraço Econômico:

"A Statoil é uma estatal na qual simula o funcionamento de uma empresa privada: as regras que a guiam são geridas pela lógica do mercado. Ela não tem direito automático de exploração em todas as áreas da Noruega. Ou seja, ela pode decidir em quais licitações é benéfico para ela entrar, não tendo reserva de mercado. Além disso, o conselho dela é majoritariamente composto por pessoas não ligadas ao governo – o contrário da Petrobras, cujo conselho é composto por 70% de pessoas indicadas pelo governo.


Mas funcionar assim, como uma empresa privada, não faz com que a Statoil perca o objetivo principal de gerar bem estar social, crescimento e receita para o país. A gigante norueguesa paga mais de 78% do que arrecada na Noruega em impostos de renda – esse dinheiro compõe 67% do fundo soberano do país  que é o maior fundo soberano do mundo, com 460 bilhões de libras-. Com uma tributação dessas dimensões, a empresa não tem outra opção a não ser buscar sempre ter muito lucro. Quanto mais ela cresce, mais imposto ela paga ao país e assim gera mais bem estar social.  Em entrevista, o presidente da Statoil Brasil afirmou: “Felizmente há uma razoável consenso entre os políticos noruegueses de que a competição é um valor inabalável. Sem eficiência não há petróleo”."

Um senador vendilhão, ó pleonasmo, trombeteou que devia vender mesmo porque não muito distante o petróleo não valeria nada. A midiazinha sem vergoinha não questionou sobre o porquê havia tantos interessados na compra.

Triste país que é odiado pela própria elite.






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.