sábado, 16 de julho de 2016

Brasil - Turquia, as diferenças

feicibuqui da Malu Aires

"O Golpe na Turquia nunca existiu porque já começou fadado ao fracasso. Não combinaram com Washington".

Saí pra comer uma pizza, papo vai, papo vem, hora passa.

Volto pra casa, termino de assistir um documentário e vou pras redes.

Descubro que nesse período curto de tempo, a Turquia sofreu um golpe militar, o presidente convoca a população a enfrentar tanques, exército e bombas, que Obama se manifestou contra o Golpe, nossos golpistas repudiaram o golpe e a Turquia volta à "normalidade".

A diferença entre o golpe na Turquia e o golpe no Brasil, é muito clara: lá a mídia repudiou o golpe e, lá, os EUA e Israel, apoiaram a democracia turca.

Lá, os juízes golpistas estão sendo cassados. Os nossos, foram aplaudidos e receberam total confiança do Departamento de Estado dos Estados Unidos.

Lá, os golpistas estão sendo presos. Os nossos, recebem prêmios nos Estados Unidos.

Não confundam os povos. A massa de manobra é manobrável em qualquer parte do mundo, bastam os meios.

"A Turquia não é a América Latina" - claro que não. O governo turco tem sido muito fiel nas políticas imperialistas de destruição da Síria.

O que aprendemos com a Turquia? Aprendemos que o mundo todo está em pleno Golpe. Que o planeta todo está em alerta, sob ataque de inimigos invisíveis. Que o Brasil não está em Golpe porque o povo não reage, mas porque potências internacionais o apoiaram.

Se o Golpe na Turquia tivesse sido planejado por forças estrangeiras que querem dominar aquele corredor entre Europa e Oriente Médio, a Turquia não resistiria como não resistiu a Ucrânia.


O Golpe na Turquia nunca existiu porque já começou fadado ao fracasso. Não combinaram com Washington.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.