segunda-feira, 6 de junho de 2016

É hora de os golpistas devolverem o Brasil ao Brasil

Sanguessugado do Ulysses Ferraz


Já está mais do que na hora de os golpistas serem sinceros consigo mesmos ao menos uma vez na vida.

É difícil ser golpista e sincero ao mesmo tempo. Quase uma contradição em termos. Mas não há mais como disfarçar. O véu da hipocrisia caiu. O complô foi desmascarado. É hora de assumir que o golpe simplesmente não deu certo. E bater em retirada. Nem a grande imprensa está conseguindo salvar a farsa. Os golpistas estão todos nus. E a visão da nudez do golpe é aterrorizante.

O vampiro interino não possui carisma e competência sequer para liderar um piquenique de aspirantes a escoteiros no Parque da Cidade numa tarde de domingo ensolarado.

Todos os homens brancos do presidente estão implicados em algum tipo de crime. O quadro técnico parece extraído de alguma seita devota ao sadismo social e ao suicídio econômico alheios.

Um grupo alienado e perverso dotado de poderes para destruir um país.

As medidas truculentas e tecnocráticas anunciadas são absurdas, todas desgraçadamente infelizes.

Se não interrompidas a tempo, conduzirão o país a um retrocesso inigualável na história política do Brasil.

Os movimentos populares mobilizados contra o governo ilegítimo de Michel Temer não param de crescer.

Não há base política, social e jurídica para que essa ação explicitamente mafiosa e criminosa continue.

A gangue do golpe se autodestruiu.

É hora assumir erros. Confessar crimes. Enterrar biografias. E assumir a verdade nua e crua: golpistas serão sempre golpistas.

 E nada mais.

Ao Senado, para que seja restituída um mínimo de dignidade ao Congresso Nacional, só resta reconduzir a presidenta eleita Dilma Rousseff ao cargo que sempre lhe pertenceu: a Presidência da República.


E devolver o Brasil ao Brasil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.