terça-feira, 10 de maio de 2016

9 DE MAIO: CAMINHANDO SOBRE O ABISMO


feicibuqui do Maringoni Gilberto


Entramos em terreno perigoso. Até agora, o processo de golpe tentava salvar as aparências de legalidade, cumprindo ritos e procedimentos de fachada para legalizar o esbulho constitucional.

Isso garantia falsas polêmicas para entreter a opinião pública. Nelas, juristas interessados exaravam opiniões e pareceres, dando um certo ar de respeitabilidade à esbórnia em curso.

A partir da tarde desta segunda (9), a fantasia foi rasgada. Aliado até outro dia do Planalto (!), Renan Calheiros decidiu chutar o balde. Com meia dúzia de palavras resolveu ignorar decisão da direção da Câmara dos Deputados de anular o processo naquela instância.

É como se a direita vociferasse: "Chega de blablabá! Vamos acabar logo com essa porra!". Coisa de pistolagem parlamentar.

A situação é esdrúxula: cada casa tem uma posição e a parada parece que vai ser resolvida no braço. Claro que o braço golpista tem a seu favor a mídia, o capital financeiro e uma verdadeira máquina de moer reputações.

O que a direita está fazendo é romper com a legalidade democrática. Os telejornais e informativos tentam realizar a quadratura do círculo: rasgar a Constituição seria a alternativa sensata e ponderada no momento.

É isso que mervais e sardembergs alardeiam pelos cinco mil altofalantes e em português claro.

Denunciar o golpe e o impeachment tornou-se algo muito mais amplo. Transformou-se na defesa da Constituição de 1988 e de trinta anos de construção democrática. É isso que está em risco.

O rompimento é vital para o golpismo, não apenas para entronizar um governo ilegítimo, como para concretizar a 'Ponte para o futuro', conjunto de normas que, para ser implantada, envolve estabelecer quase um Estado de exceção e dar curso a um projeto de desconstrução do Estado nacional.

O golpe se mostrou nesta segunda algo profundo e monstruoso.


Mas mostrou-se também menos palatável a amplos setores da sociedade e mais frágil em sua pretensa vocação democrática.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.