sexta-feira, 8 de abril de 2016

Quem é mais repulsivo?

feicibuqui do Laerte Braga

Janot, Gilmar Mendes, Cunha, ou Moro?

 Quando da indicação de Gilmar Mendes para o STF, não só o jurista Dalmo Dallari investiu contra a designação de um bandido para a chamada, só chamada, suprema corte.

ACM também.

Não havia uma dúvida sequer do papel que Gilmar desempenharia.

O mesmo que Nelson Jobim, que achincalhou a corte, com perdão da palavra e algumas exceções, ao se dizer “líder do governo nesta corte”. Corria o processo de privatizações.

Cunha é um dos chefes do crime organizado que lembra aquela charge do filho dizendo ao pai que optou pelo crime e o pai pergunta – “público ou privado?”.

 Moro acha que ao entrar numa cabine telefônica transforma-se num super juiz, sai voando.

Janot é o mais repulsivo. Asqueroso. Pústula. Não pelo fato de ser contra Dilma, mas pela jogo traiçoeiro que fez para ser indicado pela segunda fez para a Procuradoria Geral da República.

Cristiana Ferreira era modelo e foi assassinada em 2000, com versão de suicídio. Ligada a tucanos, era peça chave, o leva e traz das propinas a políiticos do PSDB. É um caso policial que a Polícia Civil não tem o menor interesse em esclarecer e quando se ameaça denunciar o fato, invade a casa de quem denuncia a pretexto de procurar documentos falsos.

As ligações de Janot e Aécio começam aí e a ANDRADE GUTIERREZ, que fazia e faz uso de prostitutas de alto coturno para seus negócios, é só uma quadrilha a mais nessa confusão toda.

No governo Aécio, Minas se tornou a detentora da maioria das ações preferenciais do grupo, numa operação nebulosa.

O mesmo dinheiro que deu ao PT e é “propina”, deu ao PSDB e é “contribuição legal”.

Janot é aquele tipo que quando u’a mãe sai à rua com o filho menor e vê o Procurador, tampa os olhos do filho para que não veja um monstro putrefato, onde o caráter, bom caráter, passou ao largo e o mau caráter se instalou.


Vale tudo nesse jogo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.