quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Índios lideram suicídios no Brasil



Com 74% da população formada por índios, São Gabriel da Cachoeira (AM) tem a maior taxa de mortalidade

THAIS PAIVA

Índio

Apesar de os indígenas representarem apenas 0,4% da população, a taxa de suicídios entre eles corresponde a 1% do total do País. O dado compõe o Mapa da Violência 2014, que trouxe informações alarmantes quanto ao número de índios que recorrem ao ato de tirar a própria vida.

Segundo o levantamento, o município com a maior taxa de mortalidade suicida do Brasil é São Gabriel da Cachoeira, noroeste do Amazonas, cuja população é de 74% de indígenas. Outros locais de assentamento, como São Paulo de Olivença (AM), Tabatinga (AM), Dourados (MS) e Amambai (MS), aparecem nas primeiras posições entre os cem municípios com as taxas mais elevadas.

O problema é mais preocupante no Mato Grosso do Sul. No estado, os indígenas são 2,9% da população, mas correspondem a 19,9% no total de mortes por suicídio. Além disso, jovens de 15 a 29 anos, representantes de 26% do total da população indígena, condizem com 60,9% do total de suicídios entre índios.


“Muitas lideranças diagnosticam que o problema fundamental é que as antigas reservas estão superlotadas e se tornaram um ambiente onde é impossível ter vida saudável em todos os sentidos – corporal, mental, espiritual. Desta forma, o que prescrevem como solução para o problema é retomar as terras de ocupação tradicional”, diz Spensy Pimentel, professor de Etnologia Indígena na Universidade Federal da Integração Latino-Americana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.