quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

A generosidade de Max

GilsonSampaio

Max é um amigo internético. Italiano radicado em Portugal. 

que o diferencia e torna indispensável o acompanhamento do seu blog é sua generosidade e a diversidade dos temas, tratados com humor, sarcasmo e, o que mais me atrai, o pensamento fora da caixinha da mídia comprometida. Sem exagero: é um maná.

Some-se a isso, tem dicas e avaliações sobre programas utilitários para navegação na rede.

Desta vez ele me fez essa graça de escrever um artigo sobre o meu o ofício e, ainda mais, colocou um banner de propaganda.

Um abraço de gratidão, Max.

Ipse dixit.

*as imagens são desse bloguezinho mequetrefe.





Publicidade!
Sanguessugado do Informação Incorrecta

A tradição milenária de Gilson


Olha olha... e não é que entre os Leitores do blog temos uma pessoa que faz um dos trabalhos mais antigos do mundo?

Como sempre, eles escolhem os lugares errados nas horas erradas.

Ok, se calhar esta coisa do "trabalho mais antigo do mundo" pode fazer pensar numa outra actividade ainda. Mas, em boa verdade, estamos a falar de algo extremamente útil, que surgiu ainda antes da olaria, da cerâmica: já existia quando os nossos antepassados pintavam as paredes das cavernas.

Qual actividade é esta? Engenharia informática? Errado: é a arte de entrelaçar fibras. É assim que eram fabricadas as primeiras peças de roupa: pedaços de peles juntos com fibras vegetais. Há 27 mil anos, em Dolní Věstonice (Morávia, República Checa), já havia alguém que entrelaçava fibras para fazer cestos e roupa.

GilsonSampaio

Aliás, é provável que a verdadeira arte de entrelaçar tenha surgido não com a roupa mas com a necessidade de transportar: cestos para objectos ou para armazenar alimentos, depois redes para pescas, para capturar aves e outros animais; mais tarde motivos ornamentais, como pulseiras ou colares.

Depois surgiu o tear (bastante cedo até: já no Neolítico, cerca de 12/10.000 anos atrás) então os
tecidos começaram a ser fabricados de outra forma. Mas também a arte de entrelaçar evoluiu: nasceu o processo de empalhar, uma das formas de artesanato presente na história de qualquer civilização humana.

                                                                                                  GilsonSampaio

Infelizmente, o empalhador utiliza materiais naturais, que com o passar dos milénios tendem a degradar-se até desaparecer. Os mais antigos objectos empalhados hoje conhecidos são alguns cestos que têm entre 10.000 e 12.000 anos de idade (foram encontrados no Egipto), mesmo assim mais cedo do que quaisquer achado de cerâmica.

Mas um empalhador não fazia apenas cestas: durante a Época Vitoriana, tanto para falar dum período mais perto de nós, tornaram-se de moda os móveis de vime, enquanto as cadeiras empalhadas já existiam há séculos. E também os materiais mudaram a segunda dos gostos: palha, vime (do salgueiro), ráfia (das palmeiras), rattan (várias espécie de palmeiras), cana, bambu...

Tudo isso para homenagear um Leitor (e colega blogueiro) que continua esta antiga tradição: Gilson Sampaio. Aqui na Europa esta arte está quase desaparecida, mas é bom saber que algures ainda há quem faça certas coisas.

(A propósito: caso precisem, pensei bem pôr o contacto do Gilson na coluna de direita).



Ipse dixit.

Um comentário:

  1. Lololol!!! Afinal Gilson tem ajudantes: dois gatos! E eu que pensava trabalhasse sozinho...

    Obrigado pelas boas palavras. O mundo está tornar-se um lugar... "estranho", por assim dizer. Temos que nós ajudar, reciprocamente, mesmo agora que são cada vez mais agudas as forças para nos dividir. Partir das pequenas coisas, como esta. É a única forma de sair do buraco no qual fomos enfiados (com a nossa cumplicidade, diga-se...).

    Grande abraço para Gilson!!!

    ResponderExcluir

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.