quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Quem pagou a lua-de-mel de Aécio?


Sanguessugado do Viomundo

Estadão explica tudo: dono do banco que pagou viagem de lua-de-mel de Aécio e prometeu R$ 4 milhões a delator é filho de mãe “com mentalidade de petista antigo”


Captura de Tela 2015-11-25 às 14.45.28

Do Estadão:


Da Redação

A prisão do banqueiro de R$ 300 bilhões de patrimônio, André Esteves, do BTG Pactual, certamente levará a Operação Lava Jato a encruzilhadas interessantes.

Se ele e o senador Delcídio Amaral, de DNA tucano, pretendiam despachar o delator Nelson Cerveró para fora do Brasil — às custas de R$ 4 milhões, mais R$ 50 mil mensais à família do ex-diretor da Petrobras — significa que ambos estavam comprometidos com as denúncias feitas no escândalo da petroleira.

Cerveró vai delatar. E Delcídio? Se sim, o senador vai contar tudo, desde que era do PSDB e assumiu cargo na Petrobras durante o governo de Fernando Henrique Cardoso? Esteves, por sua vez, poderia fazer um raio xis completo da relação entre o mundo das finanças e a política no Brasil.

Ele tem como sócio Persio Arida, que acaba de assumir a presidência do BTG Pactual. Arida seria no mínimo um “consultor” num eventual governo de Aécio Neves. A delação de Esteves, portanto, poderia abrir interessantes linhas de investigação.

No famoso bilhete de Marcelo Odebrecht a seus advogados, apreendido pela PF, o empreiteiro mencionava a necessidade de recuperar a “iniciativa de Andre Esteves”. Portanto, está no campo das possibilidades que a ação de Delcídio-André Esteves era mais ampla e envolvia o próprio Odebrecht.

A pressão sobre o dono da empreiteira vai crescer. Se delatar, Marcelo poderia esclarecer, por exemplo, todas aquelas menções a autoridades nas notas encontradas em seus celulares apreendidos pela Polícia Federal. Inclusive o famoso “adiantar 15″ a um certo J.S., que foi censurado pela PF.


Agora, sim, saberemos definitivamente quais são as “prioridades” do juiz Moro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.