segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Detenta faz o próprio parto em solitária de presídio no Rio

Sanguessugado do Revista Fórum

Segundo informações do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, apesar dos gritos de socorro de outras presas da cela ao lado, a mulher saiu do local com o bebê, uma menina, ainda ligado ao cordão umbilical

Anna Beatriz Anjos

Uma detenta da penitenciária feminina Talavera Bruce, no Rio de Janeiro, fez o próprio parto dentro de uma solitária no último dia 11. Segundo o Tribunal de Justiça do estado, apesar dos gritos de socorro de outras presas da cela ao lado, a gestante saiu do local com o bebê, uma menina, já nos braços, porém ainda ligado ao cordão umbilical.

De acordo com informações do TJRJ, logo após o nascimento da filha, a mãe foi levada ao hospital, mas retornou à solitária dias depois; já a criança foi levada a um abrigo municipal. Em breve, a mulher deve ser transferida a uma unidade psiquiátrica. A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) informou já ter aberto sindicância interna para apurar os fatos.

Nesta segunda-feira (26), o juiz Eduardo Oberg, titular da Vara de Execuções Penais (VEP), pediu o afastamento provisório da diretora da penitenciária, Andreia Oliveira. “Isso é de uma indignidade humana inaceitável nos dias de hoje”, ressalta o juiz, que qualifica a situação como “absurda”. Ele encaminhará ao Ministério Público as peças processuais do caso e determinou que um inquérito seja instaurado na 34ª DP (Bangu).

Em nota, a Seap expressou sua versão do ocorrido, conflitante com a apresentada pelo Tribunal de Justiça. “A interna tem crises de abstinência de drogas e sem consciência de que estava em trabalho de parto acabou dando a luz dentro da cela”, comunicou.


(Foto: Gil Ferreira/Agência CNJ)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.