quarta-feira, 16 de setembro de 2015

CPMF, não pode! Imposto sobre sua diversão, pode! É a bancada da grobo conspirando contra você.

Sanguessugado do Mauro Santayana

AO FIM E AO CABO, PRECISAMOS DE MAIS, NÃO DE MENOS.

(Do Blog) - Um absurdo a aprovação de um texto-base na Câmara dos Deputados cobrando impostos sobre serviços prestados via internet como o Netflix. O objetivo é proteger o virtual monopólio, que durou anos, das empresas de tv a cabo - que atuam, principalmente no jornalismo, como ponta de lança do discurso conservador e pró "ocidental" - e obrigar o consumidor a pagar mais por uma das opções que tinha para não ver sempre a mesma coisa por meses a fio, embora o conteúdo continue ainda assim a vir dos EUA em sua maioria.

É por essas e por outras, que surgem cada vez mais sites piratas, ofertando filmes em português hospedados em servidores de fora do Brasil. E aí, como é que a turminha de sempre - que defende o monopólio, os bancos e os grandes grupos empresariais, principalmente estrangeiros - vai fazer? Vai querer cobrar impostos em terceiros países?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.