sexta-feira, 31 de julho de 2015

Bob Fernandes: Com o investigado Eduardo Cunha, Gilmar Mendes conversa sobre impeachment de Dilma

Via Jornal da Gazeta

Bob Fernandes

Collor, Casa da Dinda, Ferrari, denúncias, milhões em propina... Já vimos esse filme. Mas nunca é demais recordar...

Aquele filme foi precedido por dois anos de reportagens de capa, e horário nobre, sobre o heroico "Caçador de Marajás" das Alagoas.

Valia, valeu tudo para enfrentar o escalado para o papel de "grande vilão" na primeira eleição direta: Brizola. Não foi Brizola e o resto é história.

Gilmar Mendes fez História em 2008, quando preso o banqueiro Daniel Dantas.

Presidente do Supremo, o ministro produziu dois habeas corpus em 48 horas e uma torrente de críticas à Satiagraha, operação sepultada no rastro de vasta pancadaria.

Gilmar atacou o uso de algemas e o que chamou de "ameaça ao Estado de Direito" e "espetacularização das prisões". Sobre operações da Polícia Federal disse:

-Têm notório caráter de retaliação (...) e de controle ideológico contra juízes, terrorismo lamentável (...) Quem faz isso não é agente público, é gângster...

Citando grampo fantasma, suposta gravação que ninguém ouviu, Gilmar e o então senador Demóstenes Torres chamaram o presidente, Lula, "às falas".

Lula, em gravíssimo erro que viria a custar muito, demitiu da ABIN Paulo Lacerda, o delegado que reestruturou e fortaleceu a Polícia Federal.

Gilmar Mendes não tem se pronunciado sobre a atual onda de prisões espetaculares. Mas as repórteres da Folha, Marina Dias e Natuza Nery, revelaram movimentos de Gilmar.

Na última quinta-feira, 9 , o ministro do Supremo foi até a residência do Presidente da Câmara, Eduardo Cunha. Presente também o deputado Paulinho, da Força Sindical.

Paulinho, já alvo de 5 inquéritos, tem condenação por improbidade administrativa.
Eduardo Cunha, investigado no escândalo de corrupção na Petrobras, pode vir a ser julgado pelo mesmo Supremo.

Com Paulinho da Força e Eduardo Cunha o ministro do Supremo discutiu, em detalhes, cenários da crise. Inclusive um processo de impeachment da presidente Dilma.

O que diria o ministro Gilmar Mendes sobre...o ministro Gilmar Mendes em tal companhia e tertúlia?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.