terça-feira, 2 de junho de 2015

Kitab - ul - Kutub --- O livro dos livros

Sanguessugado do Bourdoukan

Georges Bourdoukan

 

No Oásis de Bukra dizem que somos imortais. Que essa é a razão do sentido da vida. E quem tem dúvidas que consulte o Kitab-ul-Kutub.

A cada linha do Livro dos Livros um novo mundo se abre. É um livro único, definitivo.

Nenhuma palavra superficial, nenhuma linha inútil, nenhuma página dispensável. Até mesmo para a questão que sempre intrigou a humanidade a resposta é clara e concisa.

“O sentido da vida é a liberdade plena. Que você só vai alcançá-la quando se libertar do invólucro”.

O invólucro é o seu corpo.

À liberdade do invólucro dá-se erroneamente o nome de morte. São dois cordões umbilicais que acompanham o vivente. Quando ele chega e quando parte.

Um é visível, o outro também é, mas poucos conseguem vê-lo.

Não se esqueça que o pior cego é aquele que vê, mas não enxerga”.

Não sei se todos concordam, mas o que posso dizer é que as três mil e seiscentas páginas que consultei (não consegui chegar ao final do livro, pois me pareceu que o número páginas é infinito) me transportaram para lugares incríveis que jamais havia sequer imaginado.

Espero um dia conseguir terminá-lo, mas creio que isso somente será possível quando atingir a imortalidade.

Ao fechar o Livro uma página ficou dobrada. Ao reabri-lo uma frase saltou aos meus olhos:

“Um mudo sensato vale mais do que um tolo que fala”...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.