sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Não precisamos de direitos humanos no Brasil

Sanguessugado do Sakamoto

Leonardo Sakamoto

- Amor, fecha rápido o vidro que tá vindo um “escurinho” mal encarado.

– Aquilo são ciganos? Vai, atravessa a rua para não dar de cara com eles!

– Não sou preconceituoso. Eu tenho amigos gays.

– Tá vendo? É por isso que um tipo como esse continua sendo lixeiro.

– Por favor, subscreva o abaixo-assinado. É para tirar esse terreiro de macumba de nossa rua.

– Bandido bom é bandido morto.

– Tinha que ser preto mesmo!

– Vestida assim na balada, tava pedindo.

– Por que o governo não impede essas mulheres da periferia de ter tantos filhos assim? Depois, não consegue criar e vira tudo marginal.

– Baiano quando não faz na entrada faz na saída.

– Mulher no volante, perigo constante.

– Sabe quando favelado toma laranjada? Quando rola briga na feira.

– Os sem-teto são todos vagabundos que querem roubar o que os outros conquistaram com muito suor.

– A política de cotas raciais é um preconceito às avessas. Ela só serve para gerar racismo onde não existe.

– Ai, o Alberto, da Contabilidade, tem Aids. Um absurdo a empresa expor a gente a esse risco.

– Esse aeroporto já foi melhor. Hoje, tem cara de rodoviária.

– Por mim, tinha que matar mulher que aborta. Por que a vida do feto vale menos que a da mãe?

– Os índios são pessoas indolentes. Erram os antropólogos ao mantê-los naquele estado de selvageria.

– Criança que roubou não é criança. É ladrão e tem que ir para cadeia.

– Tortura é método válido de interrogatório.

– Um mendigo! Vamos botar fogo nas roupas dele. Assim ele aprender a trabalhar.

– Pena de morte já.

– Eutanásia? Pecado. A vida pertence a Deus, não a você.

Não precisamos defender direitos humanos no Brasil. Precisamos de uma terapia coletiva. Urgente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.