segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Glezos: "Peço desculpa"

Sanguessugado do Informação Incorrecta

Max

E fechamos este fim de semana dedicado à Grécia com as palavras de Manolis Glezos, o guerrilheiro
que em '41 retirou a bandeira nazista do Parthenon, começando assim a revoltar-se contra Hitler.
Diz Glezos:

Um erro o acordo com Eurogrupo, temos que reagir, não pode haver compromissos com aqueles que nos oprimem.

Palavras claras e directas, com um só destinatário: Alexis Tsipras, o líder de Syriza que traiu o povo grego. A mesma Syriza da qual Glezos era o ícone até hoje.

O acordo com o Eurogrupo é uma vergonha, tínhamos feito promessas e não as mantivemos: temos que pedir desculpa ao povo grego. Temos que reagir e imediatamente. E entre liberdade e opressão, eu escolho a liberdade.

Tem 91 anos Glezos, mas a coragem e o orgulho ainda estão intactos. Ficou envolvido em vários confrontos com a polícia entre 2010 e 2014, durante as manifestações contra a austeridade. A carta escrita hoje aos militantes não trai aqueles que admiram a sua sinceridade e seu estilo:

Peço aos militantes de Syriza para reagir antes que seja tarde demais Vamos nos reunir em sessão extraordinária e discutir. Eu bem sei quando é necessário fazer concessões. Mas isso é demais para mim. Não pode haver compromisso entre escravo e senhor, nem entre opressores e oprimidos.

São cinco dedos que ficam imprimidos na cara de Tsipras. Porque a voz de Glezos não está isolada.
Panagiotis Lafazanis, ministro do desenvolvimento económico e líder da Plataforma da Esquerda, a ala mais radical do Syriza, disse que "as linhas vermelhas traçadas antes das negociações não podem ser superadas, caso contrário não seriam chamadas de vermelhas".
Um subsecretário da Economia disse que está pronto a demitir-se se as propostas de reforma que o governo tem que apresentar não irão conter as medidas humanitárias propostas aos eleitores.
Isso enquanto os Gregos esperam: as promessas da campanha eleitoral eram muitas, agora seria a altura de começar a fazer algo...
Conclui Glezos:

É um mês que esperamos a execução das promessas do nosso programa, é uma verdadeira vergonha. De minha parte, peço desculpa ao povo grego, porque eu participei nessa ilusão.

Chapéu.
Chapéu a quem luta sem olhar para a idade.
Chapéu a quem tiver a coragem de admitir as próprias derrotas.
Chapéu a quem é ainda capaz de mudar.
Ipse dixit.
Fonte: La Repubblica, Il Fatto Quotidiano

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.