terça-feira, 20 de janeiro de 2015

O dia em que o 9/11 poderia ter sido evitado

Sanguessugado do Informação Incorrecta

Max

Um ex-agente especial do FBI, falando com um repórter de Newsweek, contou os detalhes de como a agência de inteligência dos Estados Unidos, a CIA, teria impedido que fosse possível evitar o 11 de Setembro.
Mark Rossini e Doug Miller relataram ter descoberto que um dos futuros autores do ataque, Khalid al-Mihdhar, tinham vistos de entrada múltiplos nos EUA com passaporte da Arábia Saudita, mas quando Miller preparou um relatório para o FBI, um membro da chefia da unidade secreta da CIA disse para esperar. Miller e Rossini esperaram. E ainda esperam.
Durante todos esses anos, Rossini arrependeu-se de ter obedecido, como disse ao semanal Newsweek:

É uma dor que não vai embora, que me assombra todos os dias da minha vida

Os relatórios do governo sobre o 9/11 atribuem os ataques terroristas a uma "falha da intelligence". No entanto, não fica claro porque um agente da CIA, Michael Anne Casey, ordenou que o colega de Rossini, Miller, não informasse o FBI sobre al-Mihdhar, ou porque outros chefes da CIA não alertaram o FBI ou outras agências de segurança sobre a chegada dum outro terrorista, Nawaf al-Hazmi, que a agência tinha seguido.
Rossini lembra-se de quando ele estava na mesa de Miller depois da sua conversa com Casey:

Mark Rossini

Olhava para mim como se eu estivesse a falar numa língua estrangeira ... Nós estávamos atordoados e não conseguíamos entender porque o FBI não tivesse sido informada.

Rossini confessou que, quando uma investigação foi lançada, não revelou a informação: "Pediram-nos para não dizer nada". Quem?

A CIA. Não posso citar os nomes. Simplesmente escritório foi entendido que não era possível confiar em ninguém, que os investigadores estavam a tentar culpar alguém, para pô-lo na cadeia. Disseram que os investigadores não podiam saber o que estava a acontecer em termos operacionais.

Foi só em 2004 que Rossini contou a história ao FBI.
Apesar das investigações, ninguém foi capaz de apresentar uma explicação plausível acerca do porque Rossini e Miller foram proibidos de informar o FBI sobre a chegada de dois terroristas de Al-Qaeda nos Estados Unidos.
Uma revelação autêntica? Mais uma cortina de fumaça?
Como sempre, fica a dúvida. Mas a verdade é que a história de Rossini não surpreende em nada.
Ipse dixit.
Fontes: Newsweek

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.