terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Je suis Guantánamo.

Sanguessugado do Olhar o Mundo

Luiz Eça

O bárbaro atentado de Paris repercutiu fortemente nos EUA.

Recente pesquisa Pew mostra o povo americano bastante assustado.

Pela primeira vez nos últimos seis anos, fortalecer o combate ao terrorismo é considerada a principal prioridade do governo. Mais mesmo do que fortalecer a economia.

O Partido Republicano não perdeu tempo em aproveitar a maré.

Seus líderes no Senado vão apresentar um projeto que barra a promessa do presidente Obama de fechar Guantánamo em dois anos, até o fim do seu mandato. Com chances totais de aprovação pelas bancadas republicanas, majoritárias em ambas as casas do Congresso.

A lei proíbe por dois anos a transferência para território americano de presos considerados de médio ou alto risco. Impede a libertação de dezenas de prisioneiros iemenitas já inocentados pelas autoridades de segurança. E dificulta a libertação de todos os outros prisioneiros sem culpas.

Fechando o círculo, é prorrogada por mais dois anos a proibição de construção de instalações para acolher detentos de Guantánamo que não podem ser nem soltos, nem processados porque seriam absolvidos num julgamento normal .As provas contra eles haviam sido obtidas mediante torturas.

Seis anos depois de Obama prometer que fecharia Guantánamo, ainda  existem 127 prisioneiros na instalação militar.

Muitos deles inocentes das acusações que justificaram seu  enclausuramento durante tantos anos.

Quanto aos provavelmente culpados, mesmo eles teriam direito a um julgamento, se fosse respeitada a Constituição americana.

Depois do bárbaro homicídio de Paris, as liberdades sofrem novo golpe sob o patrocínio do Partido Republicano dos EUA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.