quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Foro de São Paulo: saiba o que é

Via Valter Pomar

Entrevista sobre o Foro

No dia 6 de novembro fui contatado por um jornalista, interessado em informações sobre o Foro de São Paulo.

Concedi a entrevista por escrito, via correio eletrônico.

A matéria a respeito acabou não sendo publicada.

Entretanto, como o Foro continua sendo objeto de todo tipo de informação desencontrada, considero útil divulgar as perguntas que me foram feitas e as respostas que dei, revisadas e complementadas.

Omito as referências ao jornalista, pois como já disse a matéria não foi publicada.

1 – Quem representa o PT hoje no Foro de SP? Em qual cargo?

O Foro é uma reunião anual: os encontros.

Como não se vota nada, nessas reuniões cada partido escolhe quantas pessoas vai mandar como delegação e quais.

No caso do PT, é a executiva que decide e, quando o encontro foi no Brasil, todo petista filiado que quis participar, foi credenciado como delegado.

Entre um encontro anual e outro, reúne-se o Grupo de Trabalho(GT), composto por X países.

Não sei o número atual, mas acho que podem ser 18 países.

Quando um país faz parte do GT, a princípio todos os partidos deste país passam a ser automaticamente membros. Mas no GT, cada país tem um voto.

Ou seja, pode ter um partido (caso de Cuba e Nicarágua) ou 12 (caso de Argentina), mas tem um só voto.

Como tudo é decidido por consenso (salvo questões de encaminhamento), na prática isto é mera formalidade.

A regra acima (todos os partidos de um país fazem parte) vale, como é óbvio, para os que são integrantes do Foro. E para ser integrante, ou se é fundador ou se é aceito pelos atuais integrantes, também por consenso.

Outra coisa: em alguns casos, nem todos os partidos de um país fazem parte oficialmente do GT. No caso do Brasil, por exemplo, o PPS, o PSB, o PDT, o PPL, o PCB, o PCdoB e o PT fazem parte do Foro. Mas só PT e PCdoB são do GT.

Quem representa o PT nas reuniões do GT é quem ocupa a SRI do PT. [No caso, Monica Valente] O que não impede que numa ou noutra reunião, o PT vá com mais de uma pessoa, a titular da SRI e mais alguém. Como tb não impede que outra pessoa vá no lugar da titular da SRI.

Eu, por exemplo, representei o PT no GT do Foro entre 2005 e 2013, mas só fui titular da SRI até 2010.

2- Como os dirigentes são escolhidos? Quem são eles?

Não há dirigentes pessoas física.

São os partidos que fazem parte e indicam quem querem.

O que acontece é que o PT foi escolhido para cuidar da secretaria executiva do Foro.

E o PT escolheu para cuidar disto o/a titular da SRI.

Como este cargo de SRI foi ocupado no Brasil, durante muitos anos, pelo Marco Aurélio Garcia e depois por mim, e como por isso durante muitos anos assumimos a secretaria executiva do Foro, ficou a impressão de que há eleição de pessoas.

3 – Qual o processo de tomada de decisões?

Consenso.

4 – Qual a periodicidade dos encontros?

Anual.

5 – Qual a forma de financiamento? Qual o orçamento?

Cada partido paga seus custos.

E quando o encontro acontece num determinado país, o(s) partido(s) anfitrião (ões) paga o que pode e cobra dos outros o que precisa.

Ou seja: não tem orçamento, não tem conta bancária, não tem personalidade jurídica a parte, própria.

6 – De que forma o Foro se relaciona com os governos de partidos associados?

Politicamente.

7 – Desde 1990 muita coisa mudou e o Foro acompanhou estas mudanças. Quais foram as “fases” do Foro?

Isto está no prefácio e no último capítulo [de um livro sobre o Foro, publicado pela editora da Fundação Perseu Abramo, escrito por Roberto Regalado e por mim.]

Basicamente as "fases" foram: resistência ao neoliberalismo (1990-1998), chegada aos governos (1998-2006), contra-ataque da direita (2006-2014) e decorrente equilíbrio relativo.

8 – De que forma a chegada ao poder de partidos que integram a entidade afetou o Foro?

Passamos a ter partidos capazes de levar a prática seu programa, com as decorrências que isto tem.

[Lembrando que na minha opinião, na maioria dos países os partidos do Foro não detém o "poder"]

9 – No sentido contrário, de que forma o Foro influenciou os governos?

Os debates travados no Foro ajudaram a esquerda de cada país a refletir sobre qual deveria ser sua estratégia nacional. Mas cada um refletiu à sua maneira.

10 – É possível perceber na prática resultados das ideias defendidas pelo Foro? Quais?

A integração latino-americana e caribenha é o aspecto fundamental.

11 – O PPS diz que se afastou do Foro por causa da “hegemonia bolivarianista”. Seja lá o que isso signifique, é verdade?

Pergunte ao PCB e ele dirá que o PT e os social-liberais é que hegemonizam o Foro.

Cada um vê o que quer.

Na minha opinião, a única hegemonia inconteste no Foro é a da integração.

12 – Qual a influência de Lula e Chávez no Foro?

Imensa.

13 – Como e porquê o Foro proibiu a participação de grupos que defendiam a luta armada? Quais são estes grupos? Eles ainda tem algum vínculo com o Foro?

A pergunta está construída baseada em um pressuposto equivocado.

O Foro não proíbe nem permite genericamente o ingresso de ninguém.

Cada caso é um caso.

Por exemplo, quando o Foro fez sua primeira reunião, em 1990, a FMLN de El Salvador participou. E na época havia luta armada em El Salvador.

Assim, você é que precisa me dizer de que grupos você está falando.

Agora, quanto a situação atual, não participa do Foro nenhum partido que esteja envolvido em luta armada.

14 – É possível notar a influência do Foro na América Latina? Como?

Em vários países, partidos vinculados ao Foro fazem parte dos governos nacionais e/ou são os principais partidos da oposição.

15 – O Foro virou uma espécie de fetiche da extrema direita, a exemplo de Cuba. Aquele setor aponta o Foro de SP como ameaça à democracia da região. Existe algum motivo para isso que não seja de ordem patológica ou psicanalítica?

Quem ameaça a democracia na região é quem defende a volta das ditaduras.

16 -  Ficaram duas dúvidas. A primeira é sobre o grupos armados. Baseei a pergunta numa matéria que dizia que as Farc foram proibidas de participar em 2005. É verdade? Algum outro grupo passou pelo mesmo processo? 

Por partes: desde sempre o Foro foi e é a favor da paz na Colômbia.

Existe um processo de negociação em curso entre as Farc e o governo colombiano.

Assim, eu prefiro não falar nada a respeito da Colômbia.

Agora, o que vc está me perguntando já me foi perguntando "n" vezes, especialmente em 2010.

Pesquise na internet e vc verá lá minhas respostas, que continuam valendo.

Sobre a matéria que vc cita, me envie, mas se entendi o que é dito, o suposto fato citado não ocorreu.

17 - A segunda dúvida é sobre Lula e Chavez. Gostaria de saber se existe algum antagonismo, divisão ou matiz baseado na influência de um e de outro e de que forma e quando cada um deles teve seus momentos de maior ou menor influência.  

Sobre Lula e Chavez, veja: o Foro sempre combateu a ideia de que existam duas esquerdas na América Latina.

Achamos que existem várias esquerdas, mais que duas.

Logo, não aceitamos a ideia de que existiria uma esquerda de tipo lulista e outra esquerda de tipo chavista.

Claro que dentro e fora do Foro, tanto na esquerda quanto na direita, existe gente que tem uma visão  dicotômica e por isso construiu uma (na verdade, mais que uma) "teoria" que contrapõe Lula e Chavez, os convertendo em pólos de duas correntes antagônicas.

Isto é o que posso te dizer em termos gerais.

Agora, sobre temas concretos haveria o que dizer acerca de pontos de convergência ou diferenças, mas ai vc tem que fazer perguntas concretas.

17 - Quais as diferenças entre o que se poderia chamar de "chavismo" e "lulismo? Quais partidos e países estão mais alinhados a Lula e a Chavez? Houve períodos em que Lula ou Chavez exerceram mais ou menos influência sobre o Foro? Qual foi o periodo de maior influência de cada um deles?

Não existe uma definição inequívoca acerca do que seria o lulismo e do que seria o chavismo.

Para complicar, ambos (Lula e Chavez) são intelectuais orgânicos do mesmo tipo de Fidel, ou seja, não tem uma obra estruturada, mas sim vão construindo uma interpretação ao longo do caminho. O que reforça a possibilidade de múltiplas leituras, que vão se multiplicando por ação de amigos e inimigos.

No que me diz respeito, eu penso o seguinte:

A) embora tenham nascido e vivido em países diferentes, com trajetórias pessoais também distintas, ambos chegaram à presidência no mesmo momento histórico, enfrentaram dilemas estratégicos similares e conquistaram uma lealdade popular de perfil semelhante.

B) suas diferenças fundamentais, na minha opinião, são três:

*Chavez tinha uma política para as forças armadas e sobre o papel das forças armadas. Nem Lula, nem o PT, nem a esquerda brasileira conseguiram elaborar uma política para as forças armadas, seja qual fosse;

*Chavez organizava seu pensamento em torno de uma idéia central: o bolivarianismo. Nem Lula, nem o PT, nem a esquerda brasileira adotam uma ideia-força semelhante;

*Chavez construiu uma política internacional em torno do objetivo de enfrentar os EUA. A política externa do governo Lula foi baseada na ideia de independência frente aos EUA.

C) há uma quarta diferença importante, acerca de como lidar com o capitalismo. Mas sobre esta quarta diferença há que se tomar três cuidados:

*há diferenças profundas, não apenas de escala, mas de formação, entre o capitalismo venezuelano e o brasileiro;

*a política de Chavez a respeito mudou muito e várias vezes, entre 1998 e seu falecimento;

*neste tema, diferente dos três citados no ponto B, há uma grande distância entre o nome que se dá às coisas e as coisas como efetivamente são, o que gera muita confusão na hora de compreender a realidade.

Respondendo a sua outra pergunta, não há nenhum país alinhado com ninguém.

Claro que há alguns partidos que se consideram mais alinhados com o que acham que um ou outro representa.

Mas entre os grandes partidos, ou seja, aqueles que possuem base de massa, nenhum comete a tolice de se considerar "alinhado" com fulano ou com beltrano. Como disse Lula acerca da candidatura Chavez: tua vitória é a nossa vitória. E para Chavez a recíproca sempre foi verdadeira.

Finalmente: até 1998 Chavez não tinha influência relevante. Ele se tornou influente no Foro depois de sua eleição. Portanto, até 1998 a influência de Lula era maior. Mas ambos se tornam presidentes no mesmo período, sendo que Lula foi fundamental para ajudar Chavez em 2002. E desde então, até o falecimento de Chavez, atuaram junto com outros líderes importantes da região. Liderança compartilhada.

18 - Vc considera "bolivarianismo" um termo adequado? O que é bolivarianismo?

Nem como dirigente político, nem como historiador, me cabe considerar "adequado" um termo como bolivarianismo. [Até porque isto suporia o contrário: poder julgar inadequado um fenômeno histórico, político e social.]

Há uma história na América Latina que explica porque Bolívar e outros são considerados pais da pátria em algumas regiões e ao mesmo tempo são praticamente desconhecidos noutras. Eu entendo as razões pelas quais Chavez se apoia em Bolívar (e Fidel em Marti; e muitos gringos em George Washington).

Quanto ao que é o bolivarianismo, entendo como uma corrente política e intelectual que busca encontrar num determinado recorte do passado de luta contra a colônia espanhola, as raízes da luta atual contra o imperialismo e seus efeitos na região. Quem ler Garcia Márquez vai entender, aliás, quão profundo isto pode ser.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.