quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Vagabundo aposentado a0s 37 anos: “Não é da USP que é alta. O INSS que é baixo“.

Sanguessugado do Pragmatismo Político

Valor da aposentadoria de FHC pela USP está acima do teto permitido por lei. Quando foi Presidente da República, uma de suas declarações mais polêmicas foi a respeito dos aposentados, a quem chamou de "vagabundos"

fhc sociologo professor usp aposentadoria

FHC, aposentado como professor catedrático da USP aos 37 anos. (Imagem: Jorge Araújo)

No dia 12 de maio de 1998, ainda em seu primeiro mandato, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso deu sua declaração mais polêmica. “Fiz a reforma da Previdência para que aqueles que se locupletam da Previdência não se locupletem mais, não se aposentem com menos de 50 anos, não sejam vagabundos em um país de pobres e miseráveis“, disse ele [íntegra aqui].

FHC, no entanto, foi aposentado como professor catedrático da USP em 1968, aos 37 anos, pelo regime militar. Recentemente, sua pensão, de R$ 22,1 mil mensais, apareceu numa lista de vencimentos superiores ao teto permitido por lei.

Ontem, ao participar de um evento na USP, FHC falou a respeito. “Todo mundo reclama de salário e acha que seu salário é baixo“, disse ele. “O meu é razoável“.

Ele negou receber acima do teto legal, embora sua pensão, de exatos R$ 22.150,94, esteja acima dos R$ 20.662,00 recebidos pelo governador Geraldo Alckmin.

Comparado com o que se ganha no setor privado, aí significa muito, porque a aposentadoria do INSS é muito baixa“, disse ainda FHC. “Não é da USP que é alta. O INSS que é baixo“.

Notinha desse bloguezinho mequetrefe:

Coincidentemente, dois meses após a edição do AI-5, FHC era cooptado pela Fundação Ford(CIA) e recebia uma bufunfa,  daí brota como cogumelo depois da chuva o CEBRAP.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.