segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Fidel Castro: Os heróis de nossa época

Via Vermelho

Muito se tem para dizer destes tempos difíceis para a humanidade. Hoje, no entanto, é um dia de especial interesse para nós e também para muitas pessoas. Ao longo de nossa breve história revolucionária, desde o golpe cruel de 10 de março de 1952 promovido pelo império contra nosso pequeno país, não poucas vezes nos vimos na necessidade de tomar importantes decisões.

Reprodução
O jornal <i>Granma</i> publicou, na semana passada, um artigo do líder histórico da Revolução Cubana, Fidel Castro. O jornal Granma publicou, na semana passada, um artigo do líder histórico da Revolução Cubana, Fidel Castro.

Quando já não restava nenhuma alternativa, outros jovens, de qualquer outra nação em nossa complexa situação, faziam ou se propunham fazer o mesmo que nós, ainda que no caso particular de Cuba a casualidade, como tantas vezes na história, jogou um papel decisivo.

A partir do drama criado em nosso país pelos Estados Unidos naquela data, sem outro objetivo que frear o risco de pequenos avanços sociais que pudessem antecipar futuros de mudanças radicais na propriedade yanki em que tinha sido convertida Cuba, se engendrou nossa Revolução Socialista.

A Segunda Guerra Mundial, que acabou em 1945, consolidou o poder dos Estados Unidos como principal potência econômica e militar, e converteu esse países cujo território estava distante dos campos de batalhas" no mais poderoso do planeta.

A esmagadora vitória de 1959, podemos afirmar sem sombra de chauvinismo, converteu-se em exemplo do que uma pequena nação, lutando por si mesma, pode fazer também pelos demais.

Os países latinoamericanos, com um mínimo de honrosas exceções, se bastaram depois das migalhas oferecidas pelos Estados Unidos; por exemplo, a quota açucareira de Cuba, que durante quase um século e meio abasteceu esse país em seus anos críticos, foi repartida entre produtores ávidos de mercados no mundo.

O ilustre general norte-americano que presidia então esse país, Dwight D. Eisenhower, tinha dirigido as tropas na guerra em que libertaram, apesar de contar com poderosos meios, só uma pequena parte da Europa ocupada pelos nazistas. O substituto do presidente Roosevelt, Harry S. Truman, mostrou ser o conservador tradicional que nos Estados Unidos costuma assumir tais responsabilidades políticas nos anos difíceis.

A União das Repúblicas Socialistas Soviéticas que se constituiu até fins do século 20 na mais grandiosa nação da história na luta contra a exploração impiedosa dos seres humanos foi dissolvida e substituída por uma Federação que reduziu a superfície daquele grande Estado multinacional em quase 5,5 milhões quilômetros quadrados.

Algo, no entanto, não pôde ser dissolvido: o espírito heróico do povo russo, que unido a seus irmãos do resto da URSS tem sido capaz de preservar uma força tão poderosa que junto à República Popular da China e países como Brasil, Índia e África do Sul, constituem um grupo com o poder necessário para frear a tentativa de recolonização do planeta.

Dois exemplos ilustrativos destas realidades podemos ter primeiro na República Popular de Angola. Cuba, como outros muitos países socialistas e movimentos de libertação, colaborou com ela e com outros que lutavam contra o domínio português na África. Este exercia-se de forma administrativa direta com o apoio de seus aliados.

A solidariedade com Angola era um dos pontos essenciais do Movimento de Países Não Alinhados e do Campo Socialista. A independência desse país fez-se inevitável e era aceita pela comunidade mundial.

O Estado racista da África do Sul e o Governo corrupto do antigo Congo Belga, com o apoio de aliados europeus, preparavam-se ávidos para a conquista e a partilha de Angola.

Cuba, que há anos cooperava com a luta desse povo, recebeu a solicitação de Agostinho Neto para o treinamento de suas forças armadas que, instaladas em Luanda, a capital do país, deviam estar preparadas para sua posse, oficialmente estabelecida para o dia 11 de novembro de 1975.

Os soviéticos, fiéis a seus compromissos, tinham-lhes fornecido equipes militares e esperavam o dia da independênciapara para enviar os instrutores. Cuba, por sua vez, se adiantou no envio dos instrutores solicitados por Neto.

O regime racista da África do Sul, condenado pela opinião mundial, decide adiantar seus planos e envia forças motorizadas em veículos blindados, dotados de potente artilharia que, depois de avançar centenas de quilômetros a partir de sua fronteira, atacou o primeiro acampamento de instrução, onde vários instrutores cubanos morreram em resistência.

Depois de vários dias de combates sustentados por aqueles valorosos instrutores junto aos angolanos, conseguiram deter o avanço dos sul-africanos para Luanda, a capital da Angola, onde tinha sido enviado por ar um batalhão de Tropas Especiais do Ministério do Interior, transportado de Havana nos velhos aviões Britannia de nossa linha aérea.

Assim começou aquela épica luta naquele país da África negra, tiranizado pelos racistas brancos, cujos batalhões de infantaria motorizada e brigadas de tanques, artilharia blindada e meios adequados de luta, derrotaram às forças racistas de África do Sul e as obrigaram a retroceder até a mesma fronteira de onde tinham partido.

Porém, não foi no ano de 1975 a etapa mais perigosa daquele embate. Esta teve lugar, aproximadamente, 12 anos mais tarde, no sul da Angola.

Assim o que parecia o fim da aventura racista no sul de Angola era só o começo, pelo menos começaram a levar em consideração que aquelas forças revolucionárias de cubanos brancos, mulatos e negros, junto aos soldados angolanos, eram capazes de fazer engolir o pó da derrota aos supostamente invencíveis racistas. Talvez confiaram demais em sua tecnologia, suas riquezas e o apoio do império dominante.

Ainda que não fosse nunca nossa intenção, a atitude soberana de nosso país não deixava de ter contradições com a própria URSS, que tanto fez por nós em dias realmente difíceis, quando o corte dos fornecimentos de combustível a Cuba por parte dos Estados Unidos nos teria levado a um prolongado e caro conflito com a poderosa potência do Norte. Desaparecido esse perigo ou não, o dilema era decidir entre sermos livres ou nos resignar a sermos escravos do poderoso império vizinho.

Em tão complicada situação como naquela do acesso de Angola à independência, em luta frontal contra o neocolonialismo, era impossível que não surgissem diferenças em alguns aspectos dos quais podiam resultar consequências graves para os objetivos traçados, que no caso de Cuba, como parte nessa luta, tinha o direito e o dever de conduzir ao sucesso.

Sempre que no nosso julgamento qualquer aspecto de nossa política internacional podia se chocar com a política estratégica da URSS, fazíamos o possível para evitá-lo. Os objetivos comuns exigiam de cada qual o respeito aos méritos e experiências da cada um deles. A humildade não está em contradição com a análise séria da complexidade e importância da cada situação, ainda que em nossa política sempre fomos muito estritos com todo o que se referia à solidariedade com a União Soviética.

Em momentos decisivos da luta em Angola contra o imperialismo e o racismo produziu-se uma desses conflitos, que se derivou de nossa participação direta naquela região e do fato de nossas forças não só lutar, como também instruir a cada ano milhares de combatentes angolanos, aos quais apoiávamos em sua luta contra as forças pró yankis e pró racistas da África do Sul.

Um militar soviético era o assessor do governo e planificava o emprego das forças angolanas. Divergíamos, no entanto, em um ponto e de fato verdadeiramente importante: a reiterada frequência com que se defendia o critério errôneo de empregar naquele país as tropas angolanas melhor treinadas a quase mil e quinhentos quilômetros de distância de Luanda, a capital, pela concepção própria de outro tipo de guerra, nada parecida a de caráter subversivo e guerrilheira dos contrarrevolucionarios angolanos.

Na realidade não existia uma capital da Unita, nem Savimbi tinha um ponto onde resistir, se tratava de um chamariz da África do Sul racista que servia só para atrair para lá as melhores e mais carregadas tropas angolanas para supreendê-las. Dessa forma, nos opúnhamos a tal conceito que mais de uma vez se aplicou, até a última batalha para golpear o inimigo com nossas próprias forças, a batalha de Cuito Cuanavale.

Direi que aquele prolongado confronto militar contra o exército sul-africano se produziu na raiz da última ofensiva contra a suposta "capital de Savimbi", em um longínquo rincão da fronteira de Angola, África do Sul e da Namibia ocupada, para onde as valentes forças angolanas, partindo de Cuito Cuanavale, antiga base militar desativada da Otan, ainda que bem equipadas com os mais novos carros blindados, tanques e outros meios de combate, iniciavam sua marcha de centenas de quilômetros para a suposta capital contrarrevolucionaria.

Nossos audazes pilotos de combate apoiavam-nos com os Mig-23 quando estavam ainda dentro de seu raio de atuação.

Quando ultrapassavam aqueles limites, o inimigo golpeava fortemente aos valorosos soldados das Fapla com seus aviões de combate, sua artilharia pesada e suas bem equipadas forças terrestres, ocasionando muitas baixas entre mortos e feridos. Mas desta vez dirigiam-se, em direção as golpeadas brigadas angolanas, para a antiga base militar da Otan.

As unidades angolanas retrocediam em uma frente de vários quilômetros de distância entre elas. Dada a gravidade das perdas e o perigo que podia ser derivado delas, se esperava a solicitação habitual da assessoria do Presidente de Angola para que se apelasse ao apoio cubano, e assim foi.

A resposta firme desta vez foi que tal solicitação só seria aceita se todas as forças e meios de combate angolanos na Frente Sul se subordinassem ao comando militar cubano. De imediato foi aceita aquela condição.

Com rapidez mobilizaram-se as forças em função da batalha de Cuito Cuanavale, onde os invasores sul-africanos e suas armas sofisticadas se lançaram contra as unidades blindadas, a artilharia convencional e os Mig-23 tripulados pelos audazes pilotos de nossa aviação. A artilharia, tanques e outros meios angolanos localizados naquele ponto que careciam de pessoal foram postos em disposição combativa com o pessoal cubano.

Os tanques angolanos que em sua retirada não podiam vencer o obstáculo do caudaloso rio Queve, ao Leste da antiga base da Otan, cuja ponte tinha sido destruída semanas antes por um avião sul-africano sem piloto, carregado de explosivos, além de estar rodeado de minas antipersonal e antitanques.

As tropas sul-africanas que avançavam toparam a pouca distância com uma barreira intransponível contra a qual se lançaram. Dessa forma com um mínimo de baixas e vantajosas condições, as forças sul-africanas foram contundentemente derrotadas naquele território angolano.

Mas a luta não tinha sido concluída, o imperialismo com a cumplicidade de Israel tinha convertido a África do Sul em um país nuclear. Ao nosso exército tocava pela segunda vez o risco de se converter em alvo de tal arma.

Mas sobre esse ponto, com todos os elementos de julgamento apropriados, estou elaborando e talvez possa ser escrito nos próximos meses.

Que acontecimentos ocorreram ontem à noite que deram lugar a esta prolongada análise? Dois fatos, a meu julgamento, de especial trascendência:

A partida da primeira Brigada Médica Cubana para África para lutar contra o Ébola. O brutal assassinato em Caracas, Venezuela, do jovem deputado revolucionário Robert Serra.

Ambos os fatos refletem o espírito heróico e a capacidade dos processos revolucionários que têm lugar na Pátria de José Martí e no berço da liberdade da América, a Venezuela heróica de Simón Bolívar e Hugo Chávez.

Quantas espantosas lições guardam estes acontecimentos! Mal as palavras servem para expressar o valor moral de tais fatos, que ocorreram quase simultaneamente.

Não poderia jamais achar que o crime do jovem deputado venezuelano seja obra do acaso.

Seria tão incrível, tendo em vista a prática dos piores organismos yankis de inteligência. A verdadeira casualidade seria se o repugnante feito não tivesse sido realizado intencionalmente, ainda mais quando o mesmo se enquadra absolutamente ao que foi anunciado pelos inimigos da Revolução Venezuelana.

De todas formas me parece absolutamente correta a posição das autoridades venezuelanas de propor a necessidade de investigar cuidadosamente o caráter do crime. O povo, no entanto, expressa comovido sua profunda convicção sobre a natureza do brutal fato de sangue.

O envio da primeira Brigada Médica a Serra Leoa, marcado como um dos pontos de maior presença da cruel epidemia do Ébola, é um exemplo do qual um país pode se orgulhar pois não é possível atingir neste instante maior honra e glória.

Se ninguém teve a menor dúvida de que as centenas de milhares de combatentes que foram a Angola e a outros países de África ou América, prestaram à humanidade um exemplo que não poderá ser apagado nunca da história humana; menos duvidaria que a ação heroica do exército de avental ocupará um altíssimo lugar de honra nessa história.

Não serão os fabricantes de armas letais os que atingirão tal honra. Oxalá o exemplo dos cubanos que marcham para a África se agarre também a mente e ao coração de outros médicos no mundo, especialmente daqueles que possuem mais recursos, pratiquem uma religião ou outra, ou a convicção mais profunda do dever da solidariedade humana.

É dura a tarefa daquelas e daqueles que marcham ao combate do Ébola e pela sobrevivência de outros seres humanos, ainda que com risco as suas próprias vidas. Não por isso devemos deixar de fazer o impossível para garantir, aos que tais deveres cumpram, o máximo de segurança nas tarefas que desempenhem e nas medidas a tomar para proteger a eles e a nosso próprio povo, desta ou outras doenças e epidemias.

O pessoal que marcha à África está protegendo também aos que aqui ficam, porque o pior que pode ocorrer é que tal epidemia ou outras piores se estendam por nosso continente, ou no seio do povo de qualquer país do mundo, onde uma criança, uma mãe ou um ser humano possa morrer. Há médicos suficientes no planeta para que ninguém tenha que morrer por falta de assistência. É o que quero expressar.

Honra e glória para nossos valorosos combatentes pela saúde e a vida!

Honra e glória para o jovem revolucionário venezuelano Robert Serra junto à companheira María Herrera!

Estas ideias escrevi-as em dois de outubro quando soube de ambas as notícias, mas preferi esperar mais um dia para que a opinião internacional se informasse bem e para pedir ao Granma que o publicasse no sábado.

Fidel Castro Ruz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.