quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Estelionato eleitoral: Sabesp frauda nível dos reservatórios. Situação é pior que o admitido

Sanguessugado do Tijolaço

Fernando Brito

fraude

É estarrecedor que uma empresa pública, com um corpo profissional ao qual não faltam qualidades técnicas, esteja fazendo o que faz a Sabesp em São Paulo.

Sua presidente, a D. Dilma Pena, serrista de quatro costados, admitiu hoje na CPI da Água  que era “mentirinha” a declaração do governador - às vésperas da eleição – de que havia água suficiente para atravessar o verão e que a água acaba em “meados de novembro”.  O que é tão óbvio que está sendo dito aqui por um simples blogueiro que acompanha dos dados do Sistema Cantareira.

Mas, além do estelionato político, está se praticando crimes: divulgação de falsa informação em documento público, descumprimento de decisão judicial e burla às determinações das autoridades de regulação das águas, a Agência Nacional de Águas e o Departamento de Águas do próprio Estado de São Paulo.

A fiscalização encontrou a represa Atibainha 38 centímetros abaixo do nível mínimo autorizado.

Não é uma pequena diferença que pudesse ter acontecido por razões operacionais, de manejo das bombas de sucção, sem má-fé.

38 centímetros no nível equivalem a seis bilhões de litros d’água, mais do que é retirado em três dias.

Não é, como diz o Estadão, uma antecipação da tal segunda cota do volume morto, porque essa, se for autorizada, é uma grande poça que se formou em outro reservatório, o Jacareí.

A Sabesp conscientemente infringiu a lei federal nº. 9.433, de 1997,, que proíbe a extração de água fora das cotas estabelecidas e considera fraude a adulteração das medições de nível de represas.

Além da multa, ela pode ser obrigada a fazer com que a represa volte ao nível autorizado, o que repsenta uma perda de seis bilhões de litros num sistema que está enforcado em menos de 42 bilhões, contanto todas as “rapas” e que perde, por dia, 1,7 ou 1,8 biçhão de litros para manter, mesmo em níveis caóticos, o abastecimento de São Paulo.

Um pobre morador da cidade, carregando seus baldes, pode pensar “que se dane” dos limites de sobrevivência dos reservatórios. Autoridades e engenheiros hídricos que têm a responsabilidade de evitar o colapso total, não têm este direito.

A reserva real do sistema, se corrigido este “roubo” de seis bilhões de litros não é nem sequer dos míseros 4,3% divulgados hoje cedo, mas de apenas 3,7%.

O corpo técnico da Sabesp tem de se rebelar contra isso, se não quiser recair na mesma pecha de bandidos que as autoridades paulistas que patrocinam isso merece

2 comentários:

  1. Tomara que não, mas o mais provável é que essa próxima semana ou quinzena de chuvas seja a “prova dos nove” que o uso (e abuso) do Volume Morto colapsou o Cantareira.
    Vale a pena contrastar como reagirá cada um dos quatro sistemas mais castigados com a crise: Cantareira; Alto Tietê, esse sobrecarregado para socorrer o próprio Cantareira; Guarapiranga; e Alto Cotia).
    http://sujoedesidratado.blogspot.com/2014/10/picole.html

    ResponderExcluir
  2. Tomara que não, mas o mais provável é que essa próxima semana ou quinzena de chuvas seja a “prova dos nove” que o uso (e abuso) do Volume Morto colapsou o Cantareira.
    Vale a pena contrastar como reagirá cada um dos quatro sistemas mais castigados com a crise: Cantareira; Alto Tietê, esse sobrecarregado para socorrer o próprio Cantareira; Guarapiranga; e Alto Cotia).
    http://sujoedesidratado.blogspot.com/2014/10/picole.html

    ResponderExcluir

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.