domingo, 12 de outubro de 2014

Eleição: Minas, traficante, cocaína, helicóptero, aeroporto, laboratório, desembargador…

Via Nó na gota d’água

Rodrineto

SERIA O PROTAGONISTA O SUJEITO OCULTO?

O governador de MG nomeou um desembargador, tempos depois o Fantástico publicou uma reportagem onde um desembargador de MG vendia habeas Corpus a traficantes. Vamos dar nomes aos bois, e ligar os pontos:
Aécio Neves, Governador de MG nomeou o desembargador Hélcio Valentim.
Helcio Valentim vendia habeas corpus para traficantes, e o intermediário era Quedo.
Quedo é primo de Aécio Neves, filho do tio de Aécio que tem a fazenda onde Aécio mandou construir um aeroporto, com a verba de R$14 milhões, mas que o serviço concluido não passou de R$4 milhões.

Esse Aeroporto, na  cidade de Cláudio, fica dentro da fazendo do titio de Aécio, pai de Quedo e que fica a 6 km da fazenda de Aécio.  A chave do portão é do titio, mas fica no chaveiro de Quedo, volto a dizer, primo de Aécio, que intermediou a compra de Habeas Corpus. Aí eu me pergunto, se a chave do portão fica com Quedo, o aeroporto é propriedade privada mesmo, e pelas ligações que Quedo tem com traficantes de drogas, não poderiam estar descendo alí aviões do tráfico?

Tudo interligado  como podem ver, mas ainda vamos além. Depois que rolou o escândalo da venda de Habeas Corpus, e a seguir o do aeroporto do titio, começou a aparecer na tranquila e modorrenta Cláudio jornalistas e blogueiros, para muitos alí, figuras indesejadas. Logo, logo foi estourado um bem aparelhado laboratório de refino de cocaína. Porque um laboratório bem equipado tão longe dos centros de maior consumo? Seria o aeroporto parte da logística de refino e distribuição de drogas para a Grande BH?
Vamos raciocinar, gente; como pode um laboratório de refino de cocaína bem equipado, funcionar numa cidadela de 17 mil habitantes sem que ninguém  tivesse conhecimento? Pra mim, só faltava uma banca vendendo papelotes em frente a delegacia, e amostras gratis para autoridades públicas e eclesiásticas. Bem,  a polícia estourou esse laboratório, e como é muito fácil de prever, o "primarismo" muito conveniente do planejamento e execução da operação, não resultou em ninguém preso.
Passado alguns dias, outro acontecimento muito suspeito em Claudio; houve um incêndio num quarto anexo  à prefeitura que segundo informações ali era o arquivo morto da prefeitura.

Até aqui não podemos identificar com absoluta certeza quem é o protagonista dessa história. Seria Quedo? Helcio Valentim? ou seria Aécio, o sujeito oculto.

Vamos adicionar mais pimenta a esse prato:

Perrella pai, Perrella filho, são amigos de Aécio em pizzas, churrascos, camarotes do Mineirão, e  talvez algumas coisinhas mais perigosas. São donos de um helicóptero que foi preso com a tripulação em Afonso Cláudio - ES, carregado com 450kg de pasta base de cocaína. Antes esse helicóptero desceu numa localidade próxima a Sabarasinho que fica apenas a 14 km da fazenda do titio. O Perrelinha se apressou em tirar o corpo fora, e deixar a bomba no colo do piloto.

Nunca um caso foi esclarecido com mais rapidez que esse. Em menos de 48 os Perrellas já não eram mais suspeitos no inquérito aberto pela PF. O único crime desses, foi emprestar o helicóptero a um louco para ir ao Paraguai buscar alguma coisa, que ninguém sabia o quê para entregar em Vitória ES.

Seria como se obama emprestasse um porta-aviões à Colombia para atacar a Venezuela, e Obama dissesse que pensava que era para uma pesca de marlim no Caribe.

É uma história sem protagonistas, onde só existem coadjuvantes, não existe bandidos,  o helicóptero da coca também não existe mais, foi limpo no ES, e já voltou para a família Perrella, a coca, ninguém sabe, ninguém viu.
Você tem certeza de que Aécio é mesmo a pessoa certa para continuar conduzindo os destinos deste país?

Nota  do bloguezinho mequetrefe:

O vídeo abaixo devia merecer a atenção do Ministério Público Federal para a purar sua veracidade

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários são como afagos no ego de qualquer blogueiro e funcionam como incentivo e, às vezes, como reconhecimento. São, portanto muito bem vindos, desde que resvestidos de civilidade e desnudos de ofensas pessoais.
As críticas, mais do que os afagos, são benvindas.